Usuários do Twitter cometem barbeiragens via Twitcam; saiba as consequências

Ano passado, um jovem de 16 anos do Rio Grande do Sul trocou carícias sexuais com uma garota de 14 anos durante uma sessão do Twitcam – serviço de webcam ao vivo, utilizado por usuários do Twitter. Um dos espectadores – a transmissão teve mais de 20 mil deles – denunciou o fato para a polícia e ambos foram descobertos. Apesar de o caso ser emblemático, isso só mostra o quanto os internautas estão despreparados para lidar com novas ferramentas de exposição oferecidas no ambiente virtual.

Além da repercussão, há ainda o problema da perpetuação de conteúdo. O material – no caso relatado acima cenas íntimas entre dois jovens – corre o risco de ser espalhado de forma viral, além de ficar hospedado em sites de vídeos ou de downloads, ganhando ainda mais popularidade e longevidade na internet. Por isso lembre-se, antes de filmar qualquer coisa: aquela camerazinha em cima do seu computador faz transmissões para o mundo inteiro. E isso é algo que as vítimas do YouTube ainda têm a ensinar para os (ainda novos) usuários da Twitcam.

Punidos pela lei, os menores foram condenados a prestar serviços comunitários. Esse tipo de exposição entre os jovens não é algo fora do comum, segundo Leila Salomão, professora do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo). “Sempre houve, só que antes eles utilizavam os diários e cadernos de anotações. Hoje em dia, com a internet, muitos não estão preparados para lidar com o grau de abertura [proporcionado pela rede]”.

O mau uso de serviços de vídeo não é um problema apenas para adolescentes. Jogadores do Santos, em uma sessão de vídeo ao vivo, resolveram criticar a atuação de alguns companheiros de clube e também desrespeitar torcedores. A exposição pegou mal e os atletas tiveram de se retratar, também via Twitcam, dizendo se tratar apenas de uma brincadeira.

“Em ambiente privado um assunto pode ter uma repercussão nula. Já em ambiente público [como a internet] isso pode ganhar outras proporções”, adverte Helen Sardenberg, delegada da DRCI-RJ (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), sobre os cuidados antes de emitir alguma opinião durante transmissão na web.

Ainda nessa linha, Leila Salomão afirma que um dos fenômenos que a internet acaba causando nas pessoas é a banalização do desrespeito ao outro. Isso, segundo a especialista, é fruto da distância física entre os internautas, que acabam servindo como objetos uns dos outros – seja de prazer, seja de diversão. “É preciso resgatar alguns valores”, finalizou.

Consequências

A exploração de imagens de adolescentes na internet, segundo Leila Salomão, pode causar danos irreparáveis na formação psicológica da pessoa. “Isso pode até levar a atos extremos, como o suicídio. Em casos ‘menos extremos’, esse tipo de ação pode comprometer o emocional, fazendo com que a vítima tenha problemas com autoestima ou até causar depressão.”

Em casos como o dos adolescentes gaúchos, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) pode ser aplicado. O ECA prevê a reclusão de um a quatro anos e multa para quem adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. Ou seja: além dos menores, pessoas que baixaram o vídeo e distribuíram em outros sites podem ser punidas.

O principal conselho, conforme adverte Renato Opice Blum, advogado especialista em Direito Eletrônico, é que, em frente à câmera, o usuário pense nos vídeos online como uma transmissão televisiva. “Tudo aquilo que o internauta falar pode ficar gravado para sempre”, explica. Ainda segundo o advogado, a punição recairá sobre quem produz o material – e não sobre o site responsável pela transmissão ou divulgação.

Já cenas de pornografia ou sexo explícito, produzidas por adultos, não configuram crime a menos que a pessoa responsável pela transmissão tenha enganado o internauta – anunciando antes que iria transmitir uma sessão de piadas, por exemplo. Quem se sentir constrangido ao ver as imagens pode denunciar o abuso às autoridades e buscar reparações na Justiça.

Além disso, é preciso ficar atento também a comentários em vídeo sobre outras pessoas e a empresas, lembra Opice Blum. Os chamados “crimes contra a honra”, que podem acontecer quando o internauta ofende ou põe em dúvida a reputação de terceiros, podem resultar em indenizações pesadas. Também podem ser punidos os usuários que utilizarem a Twitcam para incitar discriminação e preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas; estupro, suicídio e uso de drogas, entre outros.

Fonte: UOL Tecnologia
Anúncios

5 dicas para encontrar seguidores interessantes no Twitter

O Twitter tem mais de 100 milhões de usuários, o que significa que para procurar alguém interessante, uma indicação de um evento, uma oferta exclusiva, notícias, piadas e etc, provavelmente, você poderá achar usuários não tão interessantes, como empresas vendendo seus produtos e serviços ou pessoas tuitando sobre o cotidiano.

Para resolver isso, com um novo recurso lançado há um tempo atrás, o Twitter é capaz de sugerir contatos interessantes no microblog. O serviço é semelhante ao oferecido atualmente por inúmeras páginas na web, no qual é possível digitar uma palavra-chave ou um local, e acessar uma lista de usuários.

Abaixo, veja como funciona a ferramenta “Who to Follow”, além de quatro outros sites para você conseguir followers mais relevantes.

1. Who to Follow

Para usar o serviço é simples. Basta se logar no Twitter e clicar no item “Find People” na principal barra de ferramentas. A busca pode ser feita de três diferentes modos.

Com “Find on Twitter”, o usuário pode digitar o nome e procurar pelas instituições e pessoas cadastradas.

A segunda opção, chamada de “Browse Interests”, permite encontrar um internauta de acordo com uma lista de categorias, por exemplo, negócios, entretenimento, família, saúde, música, política e esportes. Clique em qualquer uma delas para gerar uma lista de pessoas ligadas ao assunto desejado. Você pode seguí-los a partir da própria página.

A terceira opção, “Find Friends”, pede que você digite o seu endereço de e-mail e senha para encontrar entre os seus contatos do seu correio eletrônico, como Gmail, Yahoo e Aol, cadastrados na rede social. A partir dessa pesquisa, você terá uma lista de possíveis pessoas para seguir.

2. WeFollow

O diretório do WeFollow traz uma lista com os integrantes da rede com o maior número de seguidores separados por categorias, que incluem celebridades, música, mídia social, empresários, notícias, blogs, tecnologia, TV, atores e comédia. Ao clicar em um dos usuários, será possível acessar uma nova página de estatísticas, por exemplo, com o número de seguidores e de atualizações.

O WeFollow também permite inserir tags na barra de pesquisa para aprimorar ainda mais a busca.

Ainda é possível adicionar a si mesmo no diretório, o que ajuda para que outras pessoas com interesses semelhantes possam encontrá-lo. Para fazer isso, clique em “Add-se WeFollow” e digite os seus interesses.

3. Twellow

Twellow é quase um serviço de  “Páginas Amarelas” do Twitter.

São inúmeras as maneiras de usá-lo. Você pode escolher usuários, analisando e classificando de acordo com categorias e palavra-chaves. Ainda inclui a ferramenta “TwelloHood”, no qual é possível encontrar, a partir de um mapa mundi, usuários localizados na América do Norte, Europa e Austrália.

4. Geofollow

O Geofollow oferece muitas das ações de busca do próprio Twitter, mas a especialidade é encontrar usuários com base em suas posições. Buscar por novos perfis com base na cidade, estado ou país. O Geofollow também permite que você veja as informações dos usuários diretamente do site, bem como adicionar-se ao seu diretório.

5. Twibs

Assim como Geofollow centra-se na localização, Twibs se concentra em encontrar (e listar) as corporações no Twitter. Faça o login no site e procure entre as 25 mil empresas, ou cadastre a sua empresas para que outros possam encontrá-la.

8 dicas de etiqueta para você usar o e-mail com eficiência

Você acredita que os e-mails estão mais eficazes e educados? Para a especialista Maureen Bertolo, nem pensar. Além do famoso “responder a todos” e textos com tudo em CAIXA ALTA, outras mancadas continuam acontecendo. Além disso, o Twitter e o SMS estão tornando os hábitos no e-mail ainda piores, diz Bertolo, que começou sua carreira como programadora de computador e ensina etiqueta no e-mail há 10 anos.

Infelizmente, diz ela, as pessoas expressam as mesmas questões e reclamações que tinham uma década atrás. A principal: “E-mails são muito longos! e “Por que eu recebo tantos deles?”

O problema central com o e-mail, de acordo com Bertolo, é que as pessoas querem usá-lo para realizar tarefas para as quais é completamente ineficaz, como explicar procedimentos complexos, resolver problemas  complicados e queixas em geral. O e-mail tornou-se uma parte tão integral e fácil do modo como as pessoas trabalham e se comunicam que elas nem pensam em alternativas mais eficazes. Elas também querem essa documentação para se proteger, diz Bertolo.

Atualmente, acrescenta, SMS e Twitter estão “emburrecendo” o e-mail ainda mais. “O SMS está começando a substituir e-mail porque é mais fácil”, diz Bertolo. “Você não precisa se preocupar com ortografia, gramática, uma saudação. Por ser mais rápido, as pessoas acham que não precisam ser profissionais.”

Na Era dos SMS e “tweeting”, alguns poderiam argumentar que as regras de Bertolo para o e-mail estão fora da realidade das empresas globais. Mas os padrões que ela defende são em prol do usuário, diz.

Bertolo também observa que o uso que um indivíduo faz do e-mail fala muito sobre suas habilidades de comunicação e como ele se apresenta para o mundo. Saber quando e como usar o e-mail pode diferenciar um profissional no mercado, diz. Na busca por um emprego, o e-mail é a primeira avaliação de um candidato.

Em suma, se você se preocupa com sua imagem e sua marca pessoal, você deveria se preocupar com os e-mails que você envia.

Aqui estão oito dicas de etiqueta:

1. Pense antes de escrever

Antes de começar a compor um e-mail, pense o que você quer fazer e se o e-mail é eficaz para isso. Por exemplo, se você está tentando resolver o problema de alguém, é melhor uma ligação. Se você precisar explicar um procedimento, mostrar pessoalmente ou via web, quase sempre é mais eficaz do que por e-mail. Se você precisa resolver um assunto urgente com um colega de trabalho no escritório, fale com ele em pessoa.

2. Seja simples

E-mail funciona melhor para pedidos simples e mensagens que podem ser expressas dentro de duas linhas, tais como, “Você pode me encontrar às 16h?” ou “Você tem estes dados?”. Se sua mensagem exige mais do que duas trocas, o e-mail não é uma boa ferramenta. Quando os e-mails começam a expandir em longas cadeias, as pessoas muitas vezes esquecem o assunto original.

3. Mantenha-o curto

As pessoas gostam de e-mail, pois é rápido e fácil. Mas quanto maior e mais complicada for a sua mensagem, maior será o tempo que você levará para compor e para o destinatário entender. “Se um e-mail exige mais do que 12 linhas e dois threads, você está desperdiçando o tempo de todos e diluindo sua mensagem”, diz Bertolo.

4. Faça o campo “assunto” ir direto ao ponto

As pessoas usam o campo “assunto” como sua lista de tarefas. Para ajudar seu destinatário a priorizar e entender suas necessidades, o assunto de seus e-mails deve ser muito claro. “Diga ao seu destinatário o que você precisa na linha de assunto”, diz Bertolo. “Então, em vez de marcar o e-mail como alta, média ou baixa prioridade, coloque a data de quando você precisa de uma resposta na linha de assunto”.

5. Estruture

“Um bom e-mail precisa de uma abertura, corpo e conclusão”, diz Bertolo. O objetivo deve estar claro no corpo, junto com todos os detalhes e ações que precisam ser tomadas. As frases devem ser de 15 palavras ou menos. Se houver três ou mais pontos, use marcadores (bullets). Somados, os parágrafos de abertura e fechamento não devem exceder sete linhas, e o corpo não deve exceder cinco linhas.

6. Aproprie-se de sua mensagem

Bertolo recomenda perguntar ao destinatário: “Há algo que eu possa fazer para ajudar? Dei informação suficiente?”.

7. Evite palavras e frases que deixem as pessoas na defensiva

A forma de se comunicar via e-mail expressa como você se comporta profissionalmente. Evite linguagem pesada e sarcasmo, que não é facilmente detectado no e-mail. Mesmo se alguém lhe envia um e-mail mal-educado, você tem a chance de responder profissionalmente.

Ela também recomenda que se evitem perguntas que colocam as pessoas na defensiva, como, “Por que seu projeto está atrasado?” É melhor resolver tais questões espinhosas via telefone ou pessoalmente. Pela mesma razão, evite “provocações” como: “Por que você…”, “Você deve…”, “Eu tenho certeza que você vai concordar…”, e “Não compreendo a sua…”, que muitas vezes indicam uma quebra nas comunicações que o e-mail certamente não irá consertar. (Pelo menos não rapidamente.)

8. Use a cópia oculta (Cco) e o Responder a Todos com cuidado

A única razão para o uso de cópia oculta, de acordo com Bertolo, é manter o endereço de e-mail dos destinatários em segredo. Por exemplo, se você quiser enviar um e-mail a todos em sua rede para anunciar um novo emprego, coloque todos no campo Cco. Não use o recurso para compartilhar partes confidenciais ou informações incriminatórias com alguém.

O “Responder a Todos” deve simplesmente ser evitado, diz Bertolo. Se, por exemplo, seu chefe envia uma solicitação de reunião ou link para um artigo a todos em sua equipe e você precisa responder, faça-o apenas ao seu chefe. “Responder a todos faz outras pessoas perder tempo”, diz a consultora.

Qual celebridade tem os seguidores mais estúpidos no Twitter?

A cada dia, milhares de pessoas abrem seus corações no Twitter, mandando recados para suas celebridades preferidas. E a cada dia sua paciência diminui com esses fãs descontrolados metralhando mensagens eufóricas em defesa desse cantor ou daquela apresentadora. Foi pensando numa chance de vingança que Tom Scott criou o Stupid Fight, um site que compara duas celebridades no Twitter para definir quem tem os seguidores mais estúpidos.

A ferramenta calcula “fatores linguísticos” como “uso sequencial de pontos de exclamação” e abuso da expressão “OMG” (em inglês: Oh my god) para pontuar os 100 tweets mais recentes que fizeram menção à celebridade em questão. O site apresenta, então, o resultado final. Entre os apresentadores Luciano Huck e Otávio Mesquita, na imagem acima, a disputa foi acirrada, resultando em praticamente empate técnico: 999 a 870 a favor de Mesquita.

Mas Tom alerta que o teste ainda tem falhas na programação, não detecta ironia e pode não funcionar muito bem em outras línguas que não sejam o inglês. De qualquer forma, é uma nobre tentativa de conseguir uma amostragem científica que possa amparar novos estudos sociológicos.

13 aplicativos para turbinar seu smartphone

Você está usando todo o potencial do seu smartphone? Provavelmente não. Normalmente, os proprietários de um smartphone utilizam apenas metade do real potencial de seus aparelhos. Abaixo estão 13 aplicativos úteis para Android, BlackBerry, iPhone, e outros que ajudarão a otimizar o seu tempo e organizar a sua vida.

Use o Fring para se comunicar com todo mundo

Considerada uma plataforma de unificação das redes sociais, o Fring permite que você use o seu celular para se comunicar em múltiplas plataformas como AIM, GoogleTalk, ICQ, Skype, Twitter e Yahoo Messenger. O Fring elimina a necessidade de baixar aplicativos especializados para cada rede ou outros serviços de comunicação.

Agora você só precisa se preocupar com quantos amigos você deseja atingir. O Fring está disponível para iPhone, Android e aparelhos da Nokia.

Faça o seu Android se comportar de acordo com o local

O Locale,  para Android, permite que você defina preferências automáticas para o seu celular de acordo com o local onde o usuário está. Se, por exemplo, você costuma esquecer de desligar a campainha do seu aparelho ao chegar ao escritório, use este aplicativo para mudá-la para o modo “vibrar” automaticamente, assim que você se aproximar do escritório. Ou coloque o celular no modo silencioso sempre que estiver próximo a um cinema. É simples, mas inteligente.

Encontre os pontos de acesso Wi-Fi mais próximos

Use o catálogo de hotspots do JiWire (e seu aplicativo Android) para descobrir mais de 280 mil pontos de acesso sem fio em 140 países ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Outro serviço similar é o WeFi, que também pode ajudá-lo a encontrar conexões próximas.

Compartilhe seus aplicativos com AppBrain

Usuários obcecados por aplicativos para o Android irão amar o AppBrain. Quer mostrar todos os seus aplicativos para seus amigos? Então o AppBrain é o serviço para você. Trata-se de uma ferramenta que cria um catálogo pessoal de aplicativos que pode também ser compartilhado. Além disso, é possível ver quais aplicativos que seus amigos e outros usuários do programa instalaram.

Fãs da Apple, não temam: serviços similares existem para o iPhone. Baixe aplicativos como o AppsFire ou AppFinder para compartilhar seus programas favoritos.

Encontre aplicativos para o Android

Se você está pensando em mudar para um aparelho Android mas precisa de mais informações sobre o catálogo de aplicativos do Android Market do que o disponível no site da Google, então corra para o site do DoubleTwist. Ele irá ajudá-lo a encontrar virtualmente qualquer aplicativo disponível no Market.

Use seu iPhone como um Mouse

Para os usuários do iPhone, a Logitech oferece um aplicativo útil chamado TouchMouse, que transforma seu iPhone em um mouse sem fio por meio de sua rede Wi-Fi. Isso poder ser ótimo se você quiser sentar no sofá e controlar um laptop conectado a uma TV, por exemplo. Tudo que você precisa é instalar o aplicativo no iPhone e no computador a ser controlado, seja ele um PC ou Mac.

Dica: Se você acha o TouchMouse difícil de controlar, ajuste opção Scrolling Speed na tela de configuração do aplicativo.

Interrompa uma ligação indeseja com o Fake-a-Call

Às vezes a única maneira de fugir de um encontro indesejado é recebendo uma ligação na hora apropriada. A partir de agora você não terá mais que esperar por uma chamada de telefone. Se a situação exigir uma saída rápida, peça a ajuda do Fake-a-Call. Este aplicativo gratuito para o Android, iPhone, BlackBerry e outros aparelhos permite programar um telefonema falso. Use essa ferramenta para se salvar de qualquer ligação indesejada.

Controle um iPhone desbloqueado com um PC ou Mac

O Veency permite ao usuário visualizar e controlar um iPhone desbloqueado usando um Mac ou PC através de uma conexão Wi-Fi. A ferramenta é interessante para aqueles momentos em que você quer controlar a interface do iTunes no seu iPhone enquanto ele está ligado a um conjunto de alto-falantes do outro lado da sala, por exemplo. Nada mal.

O site iPhoneHacks.com tem um ótimo tutorial sobre como instalar o software e executá-lo em Macs e PCs.

Tenha um Personal Trainer no seu smartphone

A enorme variedade de aplicativos de fitness para smartphones tornou mais fácil controlar os seus exercícios diários. Um destes aplicativos é o RunKeeper para o iPhone, capaz de acompanhar o usuário em corridas leves, incluindo informações sobre velocidade, distância e rotas, e até mesmo compartilhar seus treinamentos pelo Facebook ou Twitter. Outro aplicativo interessante é o Lose It, usado para controlar a ingestão diária de calorias. E por diversão, use o GymFu para controlar flexões, agachamentos e abdominais.

Confira o catálogo de aplicativos do seu smartphone para ver o que está disponível para o seu aparelho.

Não pague pelos Ringtones

Usuários do Android podem usar Ringdroid para criar seus próprios ringtones, e os usuários do iPhone também podem facilmente criar seus próprios ringtones usando o iTunes. Para mais informações, confira o passo-a-passo da PCWorld para transformar qualquer MP3 em um toque do iPhone.

Leia blogs pelo Google Reader

Para se manter atualizado lendo diferentes blogs durante uma viagem, acesse o http://www.google.com/reader/m. Lá você vai encontrar uma versão simplificada do Google Reader, que funciona em quase todos os navegadores móveis, mesmo em aparelhos não são smartphones.

Simulador de Sons

Se você já quis terminar uma conversa telefônica mas não soube como interromper a ligação, tome nota: da próxima vez, se você estiver na frente de um computador, basta visitar o site SorryGottaGo.com.

Ele pemite a simulação de diversos sons como campainhas, bebês chorando e o som de uma segunda chamada. Assim você poderá encerrar o telefonema tranquilamente.

Automatizando Atendimentos eletrônicos

Dial Zero é um serviço que promete otimizar as suas ligações indicando o roteiro para ser atendido diretamente quando se está realizando uma ligação para uma central de atendimento. Outro aplicativo que realiza semelhante função é o Fonolo.com.  A principal diferença é que Fonolo.com automatiza o processo, mas o número de empresas com o qual ele funciona é limitado. O Dial Zero, em contrapartida, oferece instruções e dicas sobre como você pode chegar de forma mais rápida o atendente. Você também pode ler os comentários de outros usuários.

Dial Zero é um aplicativo gratuito para o Android, BlackBerry e iPhone.

Inclusão digital para os espiões britânicos

Sai o sapatofone do espião Maxwell Smart (Agente 86), entram Twitter, Facebook e essas “desgraças” da internet. Segundo reportagem do Daily Mail, o MI5, serviço de segurança do Reino Unido, vai “aposentar” os agentes que não souberem trabalhar com redes sociais e outras tecnologias modernas.

A ideia do MI5 é reciclar seus agentes defasados e conseguir atuar no mesmo campo dos “jovens terroristas”, monitorando redes sociais, rastreando perfis e mensagens no Twitter. “Nossos inimigos usam todos os métodos disponíveis para nos atacar, incluindo a tecnologia. Precisamos estar cientes dos ataques iminentes, e a velha geração do MI5 precisar estar totalmente à vontade com o uso de computadores e tecnologias recentes”, disse em entrevista Patrick Mercer, presidente do sub-comitê parlamentar antiterrorista.

Segundo o Daily Mail, o MI5 tem 3.500 agentes, e pretende aumentar esse número para 4.100 em 2011 – de olho, principalmente, em grandes eventos, como as Olimpíadas de Londres em 2012.

Fonte: UOL Tecnologia

5 dicas para usar bem o Twitter e evitar problemas profissionais

A demissão do jornalista Felipe Milanez, da revista National Geographic, devido a críticas feitas por ele à revista Veja (ambas publicadas pela editora Abril) via Twitter, acendeu o sinal de alerta nos usuários do microblog. Como avisam advogados especializados em direito digital, as empresas podem demitir um colaborador caso considerem  que a postura dele nas redes sociais é inadequada aos padrões da organização.

Diante desse cenário, quais as dicas sobre o que fazer – ou não – no Twitter? Qual a melhor maneira de utilizar a ferramenta e, assim, evitar problemas profissionais?

Veja a seguir algumas regras de boas práticas no microblog, segundo especialistas em redes sociais.

1. Não aborde questões internas da empresa

O ponto de partida, segundo André de Abreu, gestor da MWeb, unidade de mídias digitais e redes sociais da Máquina Public Relations – divisão da Máquina da Notícia -, é o usuário observar, a partir do momento em que ele abre uma conta no Twitter, que a linha entre dois aspectos de sua vida – o pessoal e o profissional – torna-se muito tênue. Logo, é recomendável que a pessoa evite divulgar informações delicadas sobre a organização (questões internas, por exemplo). E, se o fizer, que sejam dados  de caráter público, diz Abreu.

2.  Que fique claro: o Twitter é um ambiente público

Antes de tuitar,  você deve discernir o que falaria em público e o que comentaria apenas em ambientes privados. Além de a mensagem ficar registrada – mesmo que seja apagada, alguém pode copiar a tela com a mensagem e repassá-la -, a grande  visibilidade do Twitter amplifica a repercussão do que é escrito. Isso quer dizer que você tem de pensar bem antes de escrever qualquer mensagem no microblog. E nunca digitar no calor do momento, sob o risco de ser mal interpretado.

3. Evite colocar seu cargo na empresa para a qual trabalha

Uma vez que a sua empregadora se julgar atingida por sua postura nas redes sociais, ela pode demiti-lo, alerta Vivian Pratti, advogada do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados. E, se você se identificar no microblog com o cargo que ocupa na empresa, abre-se a brecha para uma possível demissão por justa causa, pois a companhia pode alegar que houve vínculo direto com ela. Portanto, se o seu perfil não for criado especificamente com a intenção de ser corporativo, é melhor não se apresentar como profissional de uma companhia.

4. Evite falar mal das empresas concorrentes

Segundo Manoel Fernandes, diretor da Bites, consultoria de planejamento estratégico em redes sociais, não é de bom-tom criticar concorrentes da empresa para a qual você trabalha. Isso pode criar uma saia justa na organização, principalmente pelo fato de que, no Twitter, a diferença entre o pessoal e o profissional se dilui – uma palavra sua pode ser vista como uma visão da companhia.

5. Cuidado com comentários sobre temas polêmicos

O Twitter é um meio excelente para difundir informação e troca de opiniões sobre diversos assuntos. Mas é sempre bom tomar cuidados com comentários sobre temas espinhosos como religião, política e opções sexuais, apenas para citar alguns exemplos.