5 dicas para usar bem o Twitter e evitar problemas profissionais

A demissão do jornalista Felipe Milanez, da revista National Geographic, devido a críticas feitas por ele à revista Veja (ambas publicadas pela editora Abril) via Twitter, acendeu o sinal de alerta nos usuários do microblog. Como avisam advogados especializados em direito digital, as empresas podem demitir um colaborador caso considerem  que a postura dele nas redes sociais é inadequada aos padrões da organização.

Diante desse cenário, quais as dicas sobre o que fazer – ou não – no Twitter? Qual a melhor maneira de utilizar a ferramenta e, assim, evitar problemas profissionais?

Veja a seguir algumas regras de boas práticas no microblog, segundo especialistas em redes sociais.

1. Não aborde questões internas da empresa

O ponto de partida, segundo André de Abreu, gestor da MWeb, unidade de mídias digitais e redes sociais da Máquina Public Relations – divisão da Máquina da Notícia -, é o usuário observar, a partir do momento em que ele abre uma conta no Twitter, que a linha entre dois aspectos de sua vida – o pessoal e o profissional – torna-se muito tênue. Logo, é recomendável que a pessoa evite divulgar informações delicadas sobre a organização (questões internas, por exemplo). E, se o fizer, que sejam dados  de caráter público, diz Abreu.

2.  Que fique claro: o Twitter é um ambiente público

Antes de tuitar,  você deve discernir o que falaria em público e o que comentaria apenas em ambientes privados. Além de a mensagem ficar registrada – mesmo que seja apagada, alguém pode copiar a tela com a mensagem e repassá-la -, a grande  visibilidade do Twitter amplifica a repercussão do que é escrito. Isso quer dizer que você tem de pensar bem antes de escrever qualquer mensagem no microblog. E nunca digitar no calor do momento, sob o risco de ser mal interpretado.

3. Evite colocar seu cargo na empresa para a qual trabalha

Uma vez que a sua empregadora se julgar atingida por sua postura nas redes sociais, ela pode demiti-lo, alerta Vivian Pratti, advogada do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados. E, se você se identificar no microblog com o cargo que ocupa na empresa, abre-se a brecha para uma possível demissão por justa causa, pois a companhia pode alegar que houve vínculo direto com ela. Portanto, se o seu perfil não for criado especificamente com a intenção de ser corporativo, é melhor não se apresentar como profissional de uma companhia.

4. Evite falar mal das empresas concorrentes

Segundo Manoel Fernandes, diretor da Bites, consultoria de planejamento estratégico em redes sociais, não é de bom-tom criticar concorrentes da empresa para a qual você trabalha. Isso pode criar uma saia justa na organização, principalmente pelo fato de que, no Twitter, a diferença entre o pessoal e o profissional se dilui – uma palavra sua pode ser vista como uma visão da companhia.

5. Cuidado com comentários sobre temas polêmicos

O Twitter é um meio excelente para difundir informação e troca de opiniões sobre diversos assuntos. Mas é sempre bom tomar cuidados com comentários sobre temas espinhosos como religião, política e opções sexuais, apenas para citar alguns exemplos.

URLs curtas não são tão ameaçadoras

Serviços de redução de URLs como o TinyURL parecem perfeitos para criminosos, porque eles podem enconder o nome de sites maliciosos.

Mas mesmo no popular Twitter esses endereços curtos não chegam a ser tão maliciosos como muitos especialistas da indústria acreditam, de acordo com um recente estudo.

A Zscaler, uma empresa que vende serviços de segurança, analisou cerca de 1,3 milhão de URLs reduzidas disponíveis no Twitter, antes que o microblog começasse a examiná-las por si próprio no começo de março. Apenas 773 de todos esses links (um mero 0,06%) direcionavam o internauta a conteúdo malicioso.

Serviços de redução de URL se tornaram populares conforme as pessoas começaram a gastar uma maior parte de seu tempo em redes sociais, compartilhando links para fotos e artigos, por exemplo.

Os criminosos podem aproveitar esse hábito para enganar suas vítimas, já que os links reduzidos costumam levar o nome do serviço que o criou, como Bit.ly ou TinyURL, em vez do real nome da página a que corresponde.

Julien Sobrier, analista da Zscaler, disse que os usuários estão prestando mais atenção a esses links, porque sabem que correm o risco de cair em uma armadilha.

“As URLs reduzidas do Twitter não são vistas pelos internautas como um link confiável”, ele explicou.

E, portanto, se os usuários começam a desconfiar desses endereços curtos, os criminosos tem menos incentivos para utilizá-los.

Fonte: Info Segurança

O fenômeno p**** no Tumblr

Ninguém sabe ao certo de onde vieram as más influências. Mas a internet brasileira vive um momento de humor, digamos, politicamente incorreto: o fenômeno p**** no Tumblr.

Decerto você já deve ter visto uma celebridade ou algum conhecido tendo seu nome antecedido por uma palavra de baixo calão dentro de um endereço na rede. E, se isso despertou a curiosidade de seu clique, também deve ter notado que esta tendência não se trata de um cruel cyberbullying, e sim, de uma nova forma de sátira online.

Como a internet pede, a piada funciona de modo simples e rápido: os usuários aproveitam o cadastro quase instantâneo no Tumblr e inserem imagens comprometedoras ou dúbias de um alvo, transformando-o em um personagem caricato, por vezes ridículo. Depois, basta espalhar tudo via Twitter, orkut e Facebook.

Até onde se sabe, a prática ganhou notoriedade com o Tumblr “P**** Felipe“, que tem como vítima o cantor pop Felipe Dylon. Criado pelo estudante de teoria literária, Pedro de Araújo Leite, de 27 anos, o perfil surgiu no fim do ano passado para brincar com a aparência do (ex?) galã juvenil, renascido na mídia com desleixados dreadlocks, e não tardou para se tornar um grande “meme” nas redes sociais.

“Porra, Felipe! Um monte de gatinha te esperando no aeroporto e você vai embora com o sósia do Max de Castro? Larga a mão”, diz uma das brincadeiras ilustradas, por exemplo.

Com o sucesso quase inexplicável de mensagens como essa, vieram as crias de mesmo formato e estilo de humor. Dezenas. Talvez centenas. O crescimento foi tanto que abaixo segue uma seleção dos mais acessados e/ou inventivos dessa nova safra que parece ter vindo para ficar. Pelo menos até o viral do mês que vem.

P**** Maurício: Se tivéssemos que entregar um prêmio para o perfil mais criativo, com certeza o vencedor seria o que é atribuído ao desenhista Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica. A página seleciona alguns momentos polêmicos, estranhos e, porque não dizer, extravagantes dos personagens. Um humor refinado e, por tabela, o que menos ofende. O alvo, Maurício de Sousa, até disse gostar do site, pelo Twitter: “exercitam um tipo de humor levemente cáustico, mas muito criativo e gozado”.

P**** Kassab: O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM-SP), foi um dos primeiros homenageados pelos ácidos internautas brasileiros do Tumblr. Além de piadas em relação ao vestuário e suas poses para fotos, grande parte dos comentários trata jocosamente de enchentes e do trânsito caótico da cidade. Um bem-humorado manifesto político, talvez?

P**** Silvio: Silvio Santos já foi candidato à presidência da república, camelô, dono de bingo e protagonizou momentos hilariantes da TV. Nada mais justo do que reunir suas imagens mais exóticas e bizarras dentro de um único endereço, certo? Vai pra lá, vai pra lá!

P**** Elmo: Ser boneco da Vila Sésamo rende algumas cenas memoráveis, como podemos ver nesse Tumblr. Destaque para as legendas em português.

P**** Gaga: A canota pop Lady GaGa é a vítima perfeita do fenômeno satírico no Tumblr; um alvo fácil. Extravagante por essência, GaGa apenas vira uma boa piada quando é fotografada de surpresa junto a uma legenda inspirada.

P**** Big Brothers, personagens de novela e noticiários: Ninguém escapa do sarcasmo dos internautas nacionais. Vasculhe o Tumblr com a tag “p****” e comprove isso.

Fonte: Info Notícias