Estudo diz que pirataria de músicas ajuda na venda de CDs

Uma pesquisa realizada por um economista da Universidade do Estado da Carolina do Norte, EUA, revelou que a pirataria espalhada pelo BitTorrent colabora mais do que atrapalha com a venda de músicas, ao contrário do que acredita a indústria fonográfica.

Quem publicou essa novidade foi Robert Hammond, professor assistente da universidade e autor da pesquisa. Ele declarou que os outros documentos que dizem o contrário sobre o assunto não tiveram um acesso tão grande a dados precisos como ele teve, por isso a diferença. Outro fator que faz o resultado ser completamente diferente do esperado é que foram considerados álbuns completos, enquanto outras pesquisas usavam apenas músicas individuais.

As informações foram coletadas entre maio de 2010 e janeiro de 2011. Esses dados foram comparados com o número da venda dos CDs nas lojas, e assim foi construído um modelo de previsão do efeito da pirataria sobre a indústria.

Foram considerados 1.095 álbuns e 1.075 artistas. O foco maior foi nos álbuns que vazaram antes do lançamento. “As descobertas sugerem que o compartilhamento de arquivos de um álbum beneficia as vendas do disco. Em nenhum instrumento ou especificação, eu encontrei evidências de algum efeito negativo”, disse Robert.

Fonte: Superdownloads

Anúncios

Dropbox vs. Sugarsync: qual o melhor serviço?

Aquele HD externo que você tem em casa cada vez mais se torna um objeto limitado. Para muitos consumidores, não importa que ele seja pequeno, ou leve, ou rápido – é preciso que ele seja invisível, sem peso e instantâneo. Toda essa exigência vem da computação em nuvem. Os serviços de compartilhamento, backup e sincronização nessa cloud estão cada vez melhores.

Na hora de colocar seus arquivos na tal da nuvem – que, por sua vez, pode oferecer acesso aos seus dispositivos móveis e PCs – dois serviços principais veem em mente. O Dropbox é um dos mais populares apps de armazenamento, ele oferece de maneira simples os cloud services. Já o SugarSync é para aqueles viciados em tecnologia que vivem online. Ele faz backups programados, integra com o Facebook e possui diversos recursos avançados.

Apesar de servirem para basicamente as mesmas coisas, o Dropbox e o SugarSync têm diferenças consideráveis. Veja abaixo um comparativo entre os dois, usando critérios como custo, capacidade, compartilhamento etc.

Capacidade x Custo

Os dois serviços oferecem alguns gigabytes gratuitos – desde que você cumpra requisitos como baixar os aplicativos, criar uma conta etc. O plano grátis do Dropbox é de 2GB, já o do SugarSync, 5GB. Se você quiser mais espaço, dá para tentar convidar seus amigos – a cada amigo que aderir ao serviço e instalar o programa, você ganha alguns gigas extras. A partir daí, só pagando, mesmo.

O SugarSync começa com um plano mais modesto: por 4,99 dólares mensais você consegue 30GB de armazenamento. Já por 9,99 dólares, esses gigas dobram. O mesmo gasto te dá um plano de 50 gigas no Dropbox. Se você quiser poder armazenar 100GB de documentos, consegue no SugarSync por 14,99 dólares mensais e no concorrente por 19,99. O maior plano do SugarSync termina em 250GB por 24,99 dólares mensais. Já no Dropbox é possível conseguir planos para “grupos” que custam 795 dólares por ano para até cinco membros e depois 125 dólares para cada membro adicional. Nesses planos, não há limite para armazenamento.

Sincronização

Ao instalar o Dropbox, ele cria uma pasta no seu computador. Tudo que estiver nessa pasta (inclusive subpastas), será sincronizado via web em todos os dispositivos que tiverem o app. No SugarSync as coisas são parecidas, mas ao instalar o programa no seu computador, você pode escolher quais pastas (já criadas) passam à nuvem. A partir e então, o que for colocado nessas pastas será sincronizado – é possível também sincronizar pastas novas.

Em termos de velocidade, os dois apps sincronizam de maneira bastante rápida e sem problemas. O SugarSync, porém, oferece a opção de fazer upload de documentos via email. Além disso, ele possui um suporte interessante para streaming de músicas – no Dropbox esse streaming é mais limitado. Há também suporte para envio de imagens diretamente para o Facebook, o que é uma característica legal, mas talvez não muito necessária. Por fim, o SugarSync também permite a edição simples de alguns arquivos diretamente na web (o que, na verdade, significa que os arquivos são baixados e lançados novamente à nuvem de maneira automática).

Compartilhamento

Uma das coisas que mais atrai o usuário de serviços na nuvem é a possibilidade de compartilhar seus arquivos com facilidade. Afinal, se eles estão no disco rígido do seu computador, enviá-los para alguém fica um pouco mais difícil. Serviços como o Dropbox e o SugarSync vêem para facilitar esse processo.

Em ambos compartilhar uma pasta ou arquivo é questão de alguns cliques, tudo muito fácil e a pessoa com quem você está compartilhando recebe um email para avisando. O processo no Dropbox é bastante seguro, já que os arquivos são encriptados antes de chegarem aos servidores, mas no SugarSync eles só passam por essa proteção depois. Em contrapartida, no SugarSync, além de você configurar uma pasta como pública, dá também para protegê-la com uma senha.

Acesso

Nesse ponto o SugarSync tem algumas vantagens. O serviço tem suporte para mais línguas, apesar de nenhum dos dois ter versões em português. Em termos de API e sistema operacional, o Dropbox, diferentemente do concorrente, suporta Linux. Entretanto, quando se fala de smartphones, só o SugarSync tem aplicativo para Symbian ou Windows Mobile.

Os dois serviços possuem páginas bonitas e bem desenhadas, fáceis de usar. Mas quando colocadas em comparação, justamente porque o SugarSync oferece diversos recursos, sua página é bem mais complexa. O Dropbox é fácil: é criar uma conta, baixar o software e utilizar. Ele até te avisa se você mudar a pasta de lugar (o que vai fazer com que seu computador baixe os arquivos da pasta na nuvem). O SugarSync oferece mais configurações, mas o Dropbox é mais intuitivo.

Uma vantagem do Dropbox é que ele é realmente um serviço bastante popular. Isso significa que muitos aplicativos o utilizam para fazer sincronização over the air – e você pode ter de acabar fazendo uma conta gratuita apenas para sincronizar um app no seu smartphone ao respectivo aplicativo no seu desktop, por exemplo. Mas isso, claro, tende a diminuir conforme os apps para smartphones se adaptem ao iCloud, Google Docs, ou mesmo ao SugarSync.

Para experimentar o Dropbox, clique aqui.

Para experimentar o SugarSync, clique aqui.

Use o Google Docs de maneira eficiente em sua empresa

Praticamente todas as empresas precisam de serviços básicos, tais como provedores de e-mail e de caixas de entrada, compartilhamento de arquivos e de editores de textos. O jeito que esses serviços são implementados variam dramaticamente. Escolha errado o provedor desses serviços, aproveite e incendeie dinheiro e desperdice tempo.

Há como contornar a necessidade de boa parte dessas despesas usando o Google Apps for Businesses, um serviço diretamente do ambiente das nuvens que pode acelerar o ritmo na empresa, pois tudo que precisa é acessível a partir de dispositivos móveis.

Existem algumas diferenças entre as soluções oferecidas pelo Google e aquelas no portfólio de outras companhias. Neste artigo vamos revelar algumas dicas de como tirar proveito de maneira otimizada dos serviços disponíveis na plataforma Google Apps for Businesses.

Google Apps Collaboration Tools

Adicionalmente à gestão dos e-mails, o Google Apps auxilia as pessoas de uma mesma empresa na construção de arquivos e geração de conteúdo. Apesar de todo o conteúdo estar armazenado na nuvem, o Google mantém a segurança dos arquivos bastante robusta.

A agenda oferecida pelo Google Calendar é útil quando se trata de repartir compromissos com mais participantes. A versão disponível para empresas é semelhante ao serviço gratuito, mas tem itens voltados para funcionários. Uma das opções oferecidas é compartilhar a agenda do dia, para informar aos outros participantes a que horas você estaria disponível para uma reunião. O Calendar envia convites para reuniões e se atualiza à medida que outras pessoas confirmam a presença no evento.

O Google Docs edita, de maneira elementar, arquivos criados em suítes de edição de textos, como Word (.doc), PowerPoint (.ppt) e Excel (.xls). O conteúdo desses arquivos pode ser editado por várias pessoas ao mesmo tempo e permite que cada usuário faça as alterações sem sobrescrever mudanças efetuadas por outros usuários (o que poderia ocorrer se a cada alteração os usuários baixassem e subissem os arquivos). O recurso pode ser usado como mural de avisos em empresas; nele podem ser exibidas políticas da companhia e ser anunciados eventos da empresa. Também existe a opção de salvar documentos e arquivos de todo tipo em uma pasta virtual no Google Docs.

Na versão Premier Edition, o Google Groups age como central colaborativa entre grupos. Ele permite o envio de conteúdo para determinados agrupamentos de usuários, uma opção para informar ao departamento de vendas sobre oportunidades de fechar negócios, sem informar ao pessoal da manutenção o mesmo recado. Cada vez que um novo integrante entra para determinado grupo, ele tem acesso ao histórico e pode visualizar o que aconteceu antes de se unir ao grupo.

Outro serviço disponível apenas na versão Premier é o Google Video. Equivale a uma versão privada do YouTube para a empresa. Serve para publicar vídeos para fins de treinamento ou outras finalidades dentro de um círculo fechado de usuários. Também é possível hospedar vídeos públicos, o que elimina a necessidade de assinar outros serviços ou listas.

O Gmail no ambiente corporativo

A principal vantagem entre as versões gratuitas do Google e das suítes pagas, é perceptível no serviço de e-mail, o Gmail. Em vez de ter sua conta associada ao domínio Gmail e o endereço ser seunome@gmail.com, você pode dispor de um domínio personalizado, o que faz uma diferença enorme na divulgação de sua marca. O Google oferece a opção de registro de domínio ao custo de 10 dólares anuais e o configura automaticamente.

Talvez os 7,4 GB de espaço para aguardar arquivos seja suficiente para pequenas e médias empresas. Disponível sem custo e configurável para até 50 contas de email distintas, cada conta de e-mail pode enviar mensagens para 500 endereços diferentes por dia. A não ser que sua empresa mantenha uma base de contatos muito ampla, estes limites devem suprir a necessidade que tem em serviços dessa natureza. Ocorre que, da mesma forma que acontece na versão pública, a interface desses serviços inclui publicidade, mais um motivo para fazer um upgrade na conta do Google Docs e optar pela versão paga. Nela, você poderá eliminar a opção de exibição de publicidade. Basta fazer login como administrador da conta, escolher a opção de gerenciar o domínio, localizado no topo da página e desabilitar a exibição de publicidade em seu domínio. Salve as alterações e saia da interface. Sim, era de se esperar que os pagantes do serviços não tivessem de realizar essa modificação.

O custo da versão Premier é de 50 dólares por ano e por usuário. Nessa modalidade, cada usuário pode enviar até 2 mil e-mails por dia para endereços diferentes e o espaço de armazenamento aumenta para 25 GB.

Siga as dicas de negócios

O que será que aconteceu com aquele e-mail superimportante que você enviou, mas errou o recipiente ao digitar o endereço do mesmo? Para dar conta dessa fatalidade, você pode criar apelidos para contatos de e-mail com endereços complicados. Faz assim: entra no sistema de gerenciamento da conta de e-mail e clique em “e-mail”. Encontre o nome do destinatário na relação de contatos e edite as informações. Você poderá criar um apelido para o contato, algo que seja difícil de digitar de forma errada.

Outras mensagens enviadas com endereços digitados de maneira errada devem ir parar na pasta de lixo eletrônico, mas mesmo aí, você pode fazer alterações. Acesse as configurações do serviço e selecione a opção de e-mail. Desça até a seção de e-mail routing e marque a opção de “Route” para capturar todos os endereços, insira o seu nome, salve as alterações e pronto.

Com base no Google Groups é possível gerir a comunicação interna, mas ele também pode ser usado para receber mensagens de qualquer outro remetente. Dessa maneira, você pode manter uma caixa com o nome vendas@seusite.com.br, que irá encaminhar todas as mensagens que receber para outra lista ou grupo definidos. Para tal, basta clicar na opção de Grupos e criar um novo conjunto de destinatários.

Por padrão, apenas os participantes de cada grupo podem enviar mensagens. Mas isso pode ser alterado: basta selecionar a opção “Permitir que todos enviem mensagens”. De agora em diante, um cliente poderá contatar toda a equipe de vendas a partir de um único e-mail.

Crie avisos personalizados de eventos no Google Calendar

Existe uma grande variedade de maneiras pelas quais o Google Calendar pode lembrar você de determinados compromissos. Os avisos podem chegar até você via e-mail, por meio de pop-ups ou via SMS diretamente até o seu celular (e não precisa ser um smartphone de última geração). Veja como configurar essas opções que devem lembrá-lo dos compromissos ou te dar aquele toque, 5 minutos antes da reunião começar.

De dentro do painel de controle do Google Apps – não estamos falando do painel de administrador – abra a opção do calendário. Selecione as configurações e os alertas. Você poderá clicar em adicionar um alerta para alterar os tipos de notificação. Procure configurar o primeiro de forma a mandar uma mensagem de email um dia antes do evento. Se quiser, poderá configurar mais outros dois avisos para serem encaminhados ao seu celular poucos minutos antes (pode ser necessário configurar seu aparelho celular para receber essas mensagens), salve as alterações antes de sair.

Mais opções de aplicativos

A união entre o calendário e os aplicativos do Google, como o Docs, formam uma base sobre a qual a comunicação dentro da empresa funciona. Mas existe uma infinidade de aplicativos adicionais desenvolvidos por terceiros e que podem interagir com sua base de clientes, com o calendário e com outros dados. Entre esses aplicativos encontram-se  ferramentas de CRM, monitores de tempo de resposta e outros recursos.

Uma boa opção para encontrar tais soluções é o Google Apps Marketplace. Lá estão exibidos os programas gratuitos e os pagos para integração no Google Docs. Ao ativar a opção de integração do programa escolhido, ele automaticamente é distribuído para todos os usuários ligados, diferente do software tradicional, em que é necessária uma instalação isolada para cada usuário.

Google Voice (ainda não disponível para o Brasil)

Esse serviço permite que as pessoas deixem recados em sua caixa de entrada esteja você onde estiver. Uma extensão desse serviços cria um número telefônico exclusivo para você, que faz soar todos os seus números informados.

É muito importante estar ao alcance das pessoas enquanto você está trabalhando. Ao mesmo tempo é chato receber chamadas de estranhos enquanto está ocupado. Uma solução seria desabilitar o encaminhamento de chamadas para determinado celular, mas isso impediria o recebimento inclusive de chamadas que você deseja receber. Uma opção é configurar um aparelho para cada tipo de chamada, sempre de acordo com o número de quem está ligando.

De agora em diante, quando amigos, parentes ou contatos comerciais ligarem para você, serão encaminhados para linhas distintas e você terá melhor e maior controle sobre com quem deseja falar e os contatos indesejados podem ligar para o seu telefone comercial, mas não irão incomodar o seu sono enquanto você está em casa.

Dicas para garantir a segurança do acesso remoto na empresa

Login remoto e mobilidade são alguns dos avanços trazidos pela tecnologia. A finalidade desses recursos, porém, deve se dar em torno dos negócios. Na medida em que pequenas e médias empresas se encantam pelas facilidades e buscam nelas uma fonte de vitaminas que as cure da longa gripe da crise, as mídias sociais e as formas de acesso à distância fazem parte das peças centrais no tabuleiro das companhias. Possibilitar aos empregados o acesso remoto pode ajudar as empresas a alcançar os objetivos, agiliza o atendimento ao consumidor e acelera a dinâmica do modelo de negócios.

Importante ressaltar que aumentar a mobilidade implica em aumentar os riscos à segurança dos sistemas informatizados, aos dados e à saúde da empresa em geral. É sabido, por exemplo, que o crescente uso das redes sociais e de compartilhamento de conteúdo na web carrega o uso do sinal de conexão e expõem a rede a pragas virtuais e vírus. Usar esses canais com notebooks ou outros dispositivos portáteis só faz aumentar o perigo.

Essa tendência desafia as pequenas e médias corporações a monitorar o acesso à rede e o tráfego de dados, os sistemas operacionais dos dispositivos usados nesses acessos e a criar um ambiente controlado e, ao mesmo tempo, descomplicado. O principal motivo para as empresas restringirem o acesso via dispositivos móveis ou permitir esse recurso apenas aos funcionários selecionados é a segurança, ou melhor, a falta desta.

Sem dúvida, a decisão de escancarar o acesso à rede para dispositivos móveis sempre traz riscos embutidos. Sem as devidas medidas de segurança resta às organizações rezar para que não ocorram furtos de dados, abuso da estrutura da rede, infestações de vírus, de trojans e outras mazelas endêmicas de rede. Listamos seis vacinas importantes no aumento da imunidade do sistema de dados das empresas contra ataques móveis.

1 – Blindar a VPN
Decidir usar uma VPN para os acessos requer um estudo cuidadoso das informações que a organização quer partilhar nessa modalidade de acesso. Caso pretenda executar a transferência de dados confidenciais, o conselho é desconfiar das opções de VPN pré-instaladas.

Apesar de vários sistemas operacionais disponibilizarem protocolos VPN padrão, é comum basearem a autenticação dos usuários em login e senha simples e dispensarem autenticações robustas e elementos de criptografia, deixando as portas abertas para a ação de hackers e outros invasores, como os bots e vírus.

Uma sugestão para incrementar a segurança nos acessos VPN é direcionar todo o tráfego IP para passar pelo túnel VPN e garantir apenas acessos seletivos. Um esquema de várias camadas é a melhor opção. Mas nenhuma VPN que pretenda ser sofisticada e usada para a comunicação de aplicativos críticos e de dados vitais poderá abrir mão de ferramentas adicionais para autenticação e criptografia de dados.

2 – Blindar os dispositivos móveis
Usuários com acesso a notebooks e a smartphones requerem estratégias de segurança. Nesse elenco de estratégias entram a combinação de senhas, uso de firewalls, criptografia parcial ou integral de discos rígidos e o uso – absolutamente indispensável – de softwares atualizados de antivírus e antispam. A maioria dessas alternativas pode ser implantada de maneira franca e transparente, e irá ajudar no combate às invasões e à perda de dados.

3 – Senhas e criptografia
Certifique-se de todos os dispositivos móveis estarem protegidos por senha e por criptografia. Se possível, implemente um esquema de geração de senhas válidas para uma única sessão. Caso o pacote contendo essa senha seja sequestrado, ele permitirá o acesso por apenas uma única vez.

Altamente recomendável é instruir os funcionários a criar senhas robustas e a abolir o uso das palavras “senha” e “12345” nos dispositivos. Senhas que se prezem são compostas por uma combinação de caracteres alfanuméricos maiúsculos e minúsculos.

4 – Defina políticas para acesso com dispositivos móveis
Admitir que a maioria dos usuários não presta muita atenção para a segurança até que ocorra um desastre é o primeiro passo em direção à erradicação dos riscos. Logo, o aconselhável é realizar treinamentos e colocar os funcionários a par do perigo que correm quando menos desconfiam.

Sessões de capacitação para o uso adequado de smartphones e correlatos é, juntamente com a constante lembrança de manterem-se às regras estabelecidas, um excelente remédio.

Para finalizar, seguem duas dicas que você não vai querer aprender da maneira mais difícil, acredite.

5 – Mantenha o rebanho de dados confidenciais no cercado
Os casos de furtos e roubos de dispositivos móveis tem aumentado radicalmente. A maioria contém dados pessoais e alguns de ordem estritamente confidencial. Boa parte dos casos de extravio comprometem dados privados e números de cartão de crédito, de acesso e mais. Em 2010 um notebook contendo dados médicos de 12,5 mil pacientes foi roubado de dentro de uma residência na Flórida, EUA.

Esses casos não são exatamente novidade e trazem uma importante dica: dados preciosos precisam ser submetidos a esquemas de segurança que envolvam criptografia de várias camadas. Mesmo que o notebook vá parar indevidamente na mão de alguém, a leitura dos dados deve ser dificultada ao máximo.

Se a companhia não puder garantir a segurança dos dispositivos móveis, ela deverá impedir que eles cheguem ao sistema de arquivos dos notebooks e smartphones, ficando no servidor da corporação, em um lugar bem seguro. Configure os sistemas para autenticação de acesso seguro, mesmo a partir de locais remotos, aproveite e impeça que sejam realizados downloads.

6 – Cuidado com os e-mails
Esse assunto já foi discutido à exaustão. Mesmo assim, nunca é suficiente. Boa parte dos riscos do uso de dispositivos móveis advém dos próprios usuários. Isso inclui o acesso aos emails particulares. Sendo assim, cabe a eles tratar o assunto de segurança dos laptops e iPhones como se fosse um problema particular.

Instrua os funcionários sobre métodos de se prevenir contra vírus e outros softwares danosos que podem estar escondidos em mensagens de email com anexos. Certifique-se que cada um dos empregados esteja alertado sobre a execução de arquivos desconhecidos. Concluindo, não permita que saiam abrindo todo e qualquer anexo de origem suspeita.

Dez dicas que podem deixar sua banda larga mais rápida

Mau posicionamento de roteador sem fio pode fazer com que o acesso à web móvel seja lento

Mesmo com um serviço de banda larga bom, alguns usuários não conseguem navegar rapidamente pela internet. Às vezes pode ser o posicionamento do roteador sem fio, em outras uma configuração, ou até mesmo um programa desatualizado que pode atrapalhar. Com esse intuito, reunimos dez dicas baseadas no Broadbandchoices.co.uk – um site britânico que divulga artigos sobre banda larga – que podem deixar sua banda larga mais rápida, sem precisar colocar a mão no bolso. Se nenhuma das sugestões ajudar, pode ser que sua navegação realmente exija uma conexão mais rápida – nesse caso, é avaliar se não vale pagar um pouco mais pela velocidade:

Teste sua velocidade

Uma das primeiras coisas a serem feitas é saber quanto você recebe de velocidade da empresa que fornece banda larga. Há sites como o Velocímetro e o Teste sua velocidade. O primeiro, mais simples, mostra a simulação de quanto tempo demoraria para baixar programas como o Adobe Reader, o Mozilla Firefox e o WinRAR. Já o segundo, mais completo, mostra a velocidade de download – para baixar arquivos da internet – e upload – para “subir” ou enviar arquivos para a web.

Reposicione seu roteador sem fio

O roteador sem fio – ainda que não atrapalhe diretamente o link de internet – pode fazer com que os usuários móveis tenham uma internet mais lenta. Basicamente, essa lentidão ocorre pela posição do roteador sem fio, que distribui o sinal para os usuários. Para melhorar isso, é recomendável colocar o equipamento em uma região central da casa e, de preferência, em um local elevado. Quartos, paredes e portas fechadas atrapalham a transmissão de sinal de uma rede sem fio.

Coloque senha no roteador para evitar vizinhos “parasitas”

Há pessoas que deixam aberto o sinal do roteador sem fio, para evitar a preocupação com senhas ou tipos de autenticação. A recomendação é colocar uma senha e só distribuir para quem for usar a conexão móvel, pois sem senha a rede fica livre para qualquer um utilizar para o que quiser. Quanto mais pessoas penduradas na conexão, mais lenta ela irá ficar.

Atualize seu navegador

Com a constante atualização de browsers, os desenvolvedores têm incluído cada vez mais mecanismos que deixam a navegação mais rápida. Logo, sempre é bom estar em dia com as atualizações. Além disso, por mais que o Internet Explorer seja um dos navegadores mais utilizados no mundo, há várias outras opções como o Mozilla Firefox, o Google Chrome e o Opera, que funcionam bem em máquinas com configurações mais simples – podendo deixá-las mais rápidas.

Limpe o cache e histórico do navegador

Quando um computador acessa um site, ele armazena os arquivos da página. A utilidade disso é fazer com que o PC, ao acessar novamente o mesmo site, não precise “rebaixar” da internet aquelas informações gravadas. Com o tempo, quanto maior for o cache – arquivos temporários de páginas da internet – mais rápida pode ficar a navegação.

No entanto, o cache pode ficar muito grande e fazer com que o navegador fique lento. Nesse caso é recomendável fazer uma faxina nos arquivos temporários da internet. Os próprios navegadores têm ferramentas para limpar esse tipo de arquivo. Há ainda programas específicos, como o CCleaner.

Monitore suas aplicações
Se você precisa baixar algum arquivo grande, verifique se não há outros programas fazendo download de atualizações. Os programas que mais fazem isso são o Adobe Reader e o Windows Update da Microsoft. Dependendo do número de atualizações e da gravidade, às vezes, vale à pena deixar para fazer atualizações em um horário com menos tráfego na internet ou de inatividade no computador.

Desabilite software P2P

Programas compartilhadores P2P – como o Limewire, Ares ou Shareaza –,quando ativos, baixam (download) e enviam (upload) automaticamente arquivos de/para outros usuários. Se o internauta notar que o acesso a sites comuns está sendo prejudicado, é importante que ele feche esse tipo de programa, pois dependendo da fila de arquivos, a aplicação pode consumir muita banda.

Evite horário de pico

Como quase todo tipo de serviço, a internet também tem horários com maior tráfego, que acabam “congestionando” a rede. Segundo o presidente da Abusar (Associação Brasileira de Usuários de Acesso Rápido), Horácio Belfort, os horários de pico na internet são durante o horário comercial. “Após as 18h – quando boa parte das pessoas já saiu do emprego – inicia-se o que chamamos de horário de internet residencial. Nesse horário há uma diminuição considerável do tráfego”.

Ligue para a empresa que fornece banda larga

Caso o usuário esteja recebendo uma banda muito menor que a contratada – em geral, as empresas, em contrato, só garantem 10% da velocidade – ou tenha dificuldades em acessar sites em específico, a primeira providência é ligar para o provedor do serviço de banda larga contratado e verificar se há algum problema.

Use um servidor DNS

Outra dica interessante – recomendada para usuários avançados – que pode aumentar a velocidade da internet é a configuração de um endereço DNS (Domain Name Service). Esse tipo de servidor, define Belfort, da Abusar, funciona como uma espécie de “lista telefônica de sites”, que faz com que o acesso à internet fique mais rápido.

Antes de configurar um endereço de servidor DNS, é preciso ter um endereço IP do DNS de um provedor. O UOL, por exemplo, tem os endereços 200.221.11.101 (primário) e 200.221.11.102 (secundário). Basta ir nas configurações de rede do sistema operacional e digitar esses números. Há ainda endereços de DNS públicos, como o do Google Public DNS. Essa dica, como já dito, não é para usuários com conhecimentos básicos em tecnologia.

Compartilhar não é crime

Sinto-me obrigado a comentar a Lei de Economia Digital do governo do Reino Unido. Essa nova lei é falha, pois pune os internautas que compartilham músicas. Temos de superar a ideia de que compartilhar música é um roubo. A obsessão por controle, o combate à pirataria e os formatos proprietários criados pela indústria apenas enfurecem os fãs de música.

A solução é parar de tentar vender as músicas por um preço definido. A indústria da música tem de pensar como um wiki. A música deve ser um serviço, não um produto. Em vez de comprar faixas, você poderia pagar uma pequena quantia mensal – vamos estimar cerca de 5 dólares – para acessar todas as músicas do mundo. As gravações seriam enviadas para você sob demanda, pela internet, para qualquer equipamento.

Todo consumidor teria seu canal e poderia fazer pesquisas no enorme banco de dados musical do jeito que quisesse – por artista, gênero, popularidade e assim por diante. O seu canal daria sugestões de acordo com seu gosto. Também seria possível ter acesso a um playlist com as favoritas do Mick Jagger, por exemplo.

Músicos, compositores e gravadoras seriam compensados por meio de sistemas que analisam sua popularidade. O bolo seria dividido entre eles de acordo com o número de vezes que a música fosse transmitida. Isso solucionaria o problema de direitos autorais. Ninguém mais iria “roubar” música. Por que tomar posse de uma música se você pode ouvi-la a qualquer hora, em qualquer equipamento?

Outras propostas poderiam solucionar o problema, mas elas também vêm de um pensamento do mundo wiki, de espírito de colaboração. Os especialistas em propriedade intelectual William Fisher e Neil Netanel argumentam que os sites P2P deveriam receber autorização para distribuir música gratuitamente. E quem pagaria por isso seriam os provedores de internet e os fabricantes de equipamentos. Outra iniciativa é a da Electronic Frontier Foundation, que propôs uma licença que daria ao comprador a imunidade de processos por compartilhamento de arquivos. Mais uma vez, as taxas cobradas para obter a licença remunerariam os artistas.

Pensamentos como esses têm o apoio de um número crescente de músicos. A Associação de Compositores do Canadá, por exemplo, está propondo uma taxa de 4 dólares mensais para acessar as músicas por demanda, que seria administrada pelos provedores de internet.

Em vez de criar novas propostas para o entretenimento digital, a legislação do Reino Unido mostra a persistência em um modelo de negócio ultrapassado. Assim, a indústria que nos trouxe os Beatles é odiada por seus consumidores e está entrando em colapso.

Fonte: Info Digital

Grátis: 50 downloads, sites e serviços web para usar e abusar

Executar tarefas online mais rapidamente, eliminar pragas do computador, acessar outro PC pela web para fazer manutenção remota, editar áudio e imagens. É possível fazer tudo isso sem gastar um centavo. Abaixo segue uma lista com 50 ferramentas para lá de úteis, entre downloads, serviços e sites.

A lista está organizada em 9 categorias. É realmente muita coisa, e se estiver em dúvida por onde começar, a primeira parte exibe os grandes hits entre aplicativos grátis, serviços e sites.

Claro, há também os serviços e softwares mais populares, como organizadores de fotos, customizadores do sistema, softwares de segurança e backup, entre outros, que vão ajudar a organizar a vida. Use e abuse dessa lista e salve essa matéria nos favoritos, pois as ferramentas podem ser úteis por muito tempo.

Os hits da internet

  • Ad-Aware Free: Elimina os spywares.
  • Audacity: Gravação e edição de sons.
  • BitTorrent: Compartilha arquivos online facilmente.
  • Dropbox: Sincronização online de arquivos.
  • Evite: Organizou uma festa? Prepare e envie convites sofisticados em um piscar de olhos.
  • IMDb: Tudo e mais um pouco sobre cinema.
  • OpenOffice.org: Uma alternativa ao pacote Office da Microsoft.
  • The GIMP: Editor de imagens em código livre.
  • Trillian Basic: Comunicador instantâneo compatível com vários serviços (MSN, Google Talk e mais). Disponível para Windows, Mac e iPhone.

Antivírus (é bom ter várias opções, pois não existe antivírus perfeito)

Aplicativos e serviços para edição de áudio

  • Buddha Machine Wall: Uma fonte inesgotável de melodias para meditar.
  • Grooveshark: Ótimo site para ouvir música.
  • Mp3Tag: Ótimo editor de etiquetas e capas de álbuns de músicas.
  • Myna: Editor avançado de áudio.
  • Speakershare: Compartilhe os melhores alto-falantes de um PC com outros computadores.
  • TunesBag: Ouça suas músicas pelo navegador, em qualquer lugar, sem acessar seu PC ou Mac.

Utilitários para backup

  • Backupify: 1GB de armazenamento, backups semanais e restauração para o PC.
  • Comodo Time Machine: Backup para proteger arquivos, pastas e programas.
  • Macrium Reflect Free Edition: Cria imagem do disco inteiro para recuperação futura.
  • SDExplorer: Crie um disco virtual de 25 GB online e acesse pelo Windows Explorer.
  • SpiderOak: 2 GB de espaço online para backup; salva automaticamente os arquivos quando uma mudança é detectada.
  • SyncToy: Utilitário da Microsoft para sincronizar arquivos de diferentes PCs em rede.
  • Todo Backup: Gerencie imagens do disco rígido e partições.

Complementos para o navegador, aplicativos e utilitários

  • CeeVee: Faça currículos atraentes e compartilhe na web.
  • Lazarus: Recupera a digitação feita em formulários de qualquer site.
  • MailBrowser: Melhor gerenciamento dos contatos e anexos do Gmail.
  • PDF to Word: Converta arquivos PDF em formato DOC editável.

Serviços de colaboração

  • LogMeIn Express: Compartilhe seu PC com qualquer outro conectado a web (ótimo para manutenção remota).
  • Tinychat: Cria grupos de discussão instantâneos, com webcam.
  • Yammer: Recurso de comunicação para empresas, usando o Facebook.
  • Zoho Discussions: Cria um forum facilmente para ser compartilhado.

Customização da área de trabalho

  • BumpTop: Uma área de trabalho em 3D.
  • DeskHedron: Cria até nove ambientes de área de trabalho que são alternados pelo mouse ou teclas de atalho.
  • Fences: Organiza os ícones do desktop exibindo apenas os mais utilizados. Ao passar o mouse, os ícones escondidos surgem novamente.
  • InterfaceLift: Biblioteca de papéis de parede.
  • Krento: Um modo prático e bonito para executar as aplicações.
  • Rainmeter: Uma versão alternativa ao desktop do Windows, muito atrativo.
  • StandaloneStack 2: Atalhos com animações que facilitam o uso de áreas de trabalho repletas de ícones.
  • T3Desk: Reorganiza os programas na área de trabalho, sem minimizá-los.

Aplicações para dispositivos móveis

  • BlueRetriever: Ajuda a recuperar gadgets perdidos.
  • Connectify: Transforme seu laptop em um hotspot Wi-Fi.
  • Instapaper: Uma simples ferramenta que baixa textos da web para serem lidos no celular.
  • Xpenser: Mantenha o controle de suas finanças na web.

Utilitários para fotos

  • Easy Poster Printer: Imprime um poster gigante (20×20 metros) a partir de uma foto digital comum.
  • The Golden Hour Calculator: Encontra o melhor horário para obter boa iluminação para tirar fotos ao ar livre.
  • Paint.Net: Uma alternativa leve ao famoso Photoshop.
  • Phoenix: Editor de imagens baseado na web.