Novos recursos de busca no Firefox

Quem usa sabe como é prática a barra de pesquisas do browser. Basta digitar o termo que se deseja pesquisar, selecionar o mecanismo mais indicado e pressionar Enter. O navegador exibe a página com os resultados para a pesquisa encomendada. Mas você sabe o que fazer para incluir um mecanismo de busca nessa barra? Muitos sites oferecem um plug-in para isso, mas quando não há nada pronto disponível na página que você consulta com frequência a solução é pedir a ajuda do complemento Add To Search Bar para o Firefox.

Com essa extensão instalada, clique com o botão direito do mouse no campo de pesquisa da página selecionada e escolha a opção Adicionar à Barra de Pesquisa no menu que surgirá. Em seguida, aceite o nome indicado ou sugira um outro mais curto e direto, para o mecanismo, escolha um ícone caso a página não forneça nenhum e clique em OK (qualquer imagem pode ser transformada automaticamente em um ícone). Feito isso, o mecanismo está disponível para consulta rápida.

Apesar de bem eficiente, o Add To Search Bar não funciona com todas as páginas de busca. Tentamos sem êxito usá-lo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), por exemplo. Se você quiser ter acesso mais ágil ao recurso oferecido pela Academia Brasileira de Letras para não derrapar no uso da nova ortografia, uma dica é incluir o link para a página na barra de favoritos do browser.

Na página de complementos do Firefox há uma série de add-nos que adicionam recursos de pesquisa ao browser. Para conferir a lista, clique na setinha ao lado da barra de pesquisas do Firefox, selecione a opção Organizar Pesquisas e, na caixa de diálogos seguinte, clique no link Adicionar Pesquisas e faça suas escolhas.

A evolução da página do Yahoo!

A página do Yahoo! é sem dúvida um dos melhores trabalhos na Internet – é organizada e ao mesmo tempo possui muitas informações. Confira abaixo a evolução da página principal do Yahoo!, desde 1994.

1994 – Nesta época, o Yahoo era apenas um diretório de sites

1995 – Yahoo cria seu logotipo, acrescentando o “!”, juntamente com imagens e sistema de busca

1999 – Yahoo muda logotipo para vermelho. É criado o Yahoo! Mail

2002

2006 – Yahoo! revoluciona sua página principal. Menos destaque ao diretório de sites e mais abrangência à notícias e serviços

2010 – A partir de 2006, não houve mudanças significativas na página

Descubra como funcionava o Google em 2000

Qual o mecanismo de pesquisa que você usava em 2000? É muito provável que a resposta não seja o Google. Três meses antes do Google tornar-se o provedor de pesquisa padrão para o Yahoo!, os resultados de pesquisa do Google eram exibidos um pouco diferente do layout atual. Google mostrava categorias relevantes do site DMOZ, os trechos dos resultados eram mais curtos, o recurso “páginas relacionadas” era chamado de GoogleScout, o botão “estou com sorte” era adicionado a cada página de resultados de pesquisa e você podia escolher o número de resultados de pesquisa através de um menu drop-down.

Naquele momento, o Google não oferecia qualquer motor de busca especializado mas indicava uma lista de links para motores de buscas concorrentes na parte inferior da página. Naquela época, o Google indexava apenas cerca de 200 milhões de páginas da web e a empresa ainda estava à procura de maneiras de ganhar dinheiro com o motor de pesquisa.

O Google ainda abriga uma página de resultados de pesquisa datada de abril de 2000, mesmo que ligeiramente modificada, porque era uma parte de um produto-piada do Dia da Mentira chamado Mentalplex. Neste outro link é possível visualizar a página um pouco mais atualizada daquele mesmo ano.

Ainda em 2000, o Google iniciou a introdução de anúncios de texto, mas de forma muito primitiva. “O Google iniciou recentemente banners textuais em seu motor de busca, mas talvez você não tenha notado a mudança porque a maioria das pesquisas no momento não inclui um banner físico juntamente com os resultados da pesquisa”, relatou tomalak.org em janeiro de 2000.

O tráfego do Google começou a crescer a um ritmo alarmante. “O Google encerrou 1999 com uma média de 7 milhões de buscas por dia, cerca de 70.000% de aumento em comparação às 10.000 pesquisas por dia em que foram realizadas no site do Google em dezembro de 1998! Este crescimento explosivo reflete o número total de pesquisas feitas pelos usuários em http://www.google.com e através de sites parceiros corporativos. A partir de meados de janeiro de 2000, o Google já apresentava uma média de 10 milhões de buscas por dia “, segundo relatou Sergey Brin e Larry Page no boletim informativo da empresa em 2000.

Ainda não satisfeito, o Google lançou no mesmo período um programa de afiliados na qual tentava convencer os webmasters a adicionar uma caixa de pesquisa do Google em seus sites. “Ao se inscrever no nosso programa afiliado (…) você será capaz de colocar uma caixa de pesquisa do Google no seu site e começar a receber 3 centavos para cada pesquisa que você enviar para o nosso caminho.” No final de 2000, o Google já movimentava mais de 100 milhões de consultas por dia.

2000 foi o ano em que Google demonstrou ser um mecanismo de pesquisa de sucesso, mesmo que muitas pessoas imaginassem ainda qual seria sua estratégia para a criação de receita. “A empresa é inflexível, recusa a usar banner ou outros anúncios gráficos, elimina desta forma o que é o mais lucrativo em renda entre os motores de busca. Embora o Google não tenha outras fontes de receitas, como licenciamento e base de anúncios textuais, a empresa privada permanece limitada comparativamente com os seus concorrentes”, concluiu a Business Week, em dezembro de 2000. “Agora vem do Google o grande teste. Poderá a empresa se manter sem a criação de promoções que permitem aos sites comerciais a compra de elevado ranking nas pesquisas? Embora o Yahoo! tenha começado a cortar estas promoções em massa, em visão do concorrente LookSmart. Brin diz que não está preocupado : Quando alguém pesquisar por “câncer”, o que você deve indicar: o site que paga você ou o site que tem a melhor informação? Brin aposta que o site com a melhor informação vai ganhar o dia.”

Fonte: Google Operation System

Antes do Google havia o BackRub

Precursor do Google em 1996, o projeto BackRub consistia em um motor de pesquisa liderado por Larry Page no departamento de ciência da computação na Universidade de Stanford. BackRub poderia ter sido uma referência ao subjacente algoritmo que conta backlinks como votos, a mesma abordagem que depois foi transferida para o atual PageRank.

Em agosto de 1996, de acordo com uma cópia em cache do sistema BackRub feita pelo site C63.be, o número de “HTML URLs HTML” que este “mecanismo de pesquisa da web” havia indexado era de 75 milhões de páginas, e mantinha 30 milhões de páginas HTML em cache. BackRub foi escrito em Java e Python com base “em várias Sun Ultras e Intel Pentiums com SO Linux.”

Mais tarde, o sistema BackRub se transformou no “Google Search Engine”, de acordo com registros gravados pelo Archive.Org em 1997.

Fonte: Google Blogoscoped

Truques para melhorar suas buscas no Google

A ferramenta de busca do Google tem uma série de recursos. No entanto, há diversas dicas para usar melhor o buscador. É possível, por exemplo, fazer busca por arquivos específicos (exemplo: PDF, DOC, XLS), sites em específico e termos em certos domínios. Há ainda serviço de calculadora que converte medidas. Confira algumas dicas para refinar sua busca no Google.

A opção “define:” mostra a definição ou o significado de uma palavra. O Google busca em dicionários ou enciclopédias virtuais informações sobre a palavra digitada.

Para efetuar cálculos, basta colocar a operação na barra de busca e dar enter. É possível fazer subtração (-), multiplicação (* ou x) e divisão. O site também aceita 5 mais 105 ou 105 divido por 5.

O Google tem um conversor de moedas, mas os valores que ele dá são aproximados.

Com a calculadora também é possível descobrir a raiz quadrada – através da função sqrt -, realizar cálculos envolvendo potenciação ou até mesmo descobrir o seno ou o cosseno de um ângulo. Para isso basta escrever literalmente. Exemplo: cosseno de 90 ou 5 elevado a 3.

Esqueceu como transformar números decimais em romanos? Basta digitar o número e digitar “em romanos” na frente, como na imagem e dar enter.

Para converter unidades de medida o processo é parecido. No exemplo acima foi feita a transformação de quilômetros para metros. No entanto, o Google também aceita conversões do tipo: 7 g em kg, 25 graus Celsius em Kelvin, etc.

O Google tem uma espécie de hotsite dos principais sistemas operacionais existentes. Ao realizar buscas nesses endereços, o usuário encontrará dicas específicas do sistema. No exemplo acima, o google.com.br/linux foi acessado. Mas há o google.com.br/microsoft, o google.com.br/mac e o google.com.br/pda.

Outra dica clássica para fazer pesquisas no Google é o uso de aspas. Elas servem para procurar um termo exato.

Para saber a previsão do tempo de alguma cidade, digite tempo e o nome da localidade na frente.

A sintaxe “site:” faz com que a busca se limite a um site em específico. No exemplo acima, foi feita a busca de dicas no site do UOL Tecnologia.

O “filetype:” realiza buscas por tipo de arquivo. Acima, a busca foi feita por arquivos com extensão “.doc” (Word), porém, o site permite busca com extensões como PDF, XLS (Excel), PPT (Power Point), entre outras.

O “info:” dá informações sobre um site em específico. Além disso, ele permite a visualização da página no cache do Google (armazenamento temporário), buscar páginas semelhantes, páginas do site, entre outras opções.

O operador “-“, além de servir para operações matemáticas, pode ser usado na restrição de certos resultados em uma busca. No exemplo foi realizada uma busca sobre o tema teoria populacional, que não se refira a Thomas Malthu.

Se desaparecer do Google é impossível, saiba como despistar o “Big Brother” da internet

Após comprar DVDs pornô pela web, um internauta teve seu nome publicado no site de e-commerce. Ao tentar esclarecer uma dúvida com o vendedor, o comprador dos DVDs – estrelados respectivamente por Caroline Miranda e Vivi Ronaldinha – postou o nome completo. Meses depois, ele percebeu que, ao fazer uma busca pelo seu nome, esse era um dos primeiro resultados que aparecia. O homem entrou em contato com o site de comércio eletrônico e pediu para tirarem a menção ao nome. A informação foi excluída. No entanto, no Google ainda aparece a identificação do comprador.

A história é insólita, mas ilustra que não é possível fugir do serviço de busca do Google. Há vários casos semelhantes na internet de pessoas que querem remover citações aos seus nomes – inclusive ameaçando ir até o escritório da empresa em São Paulo para reclamar. Não dá para sumir do Google, mas há maneiras de diminuir a exposição.

Assim como o comprador dos DVDs, se você está em uma lista de aprovados de vestibular ou concurso, tem escrituras em um cemitério municipal, foi citado ou fez comentário em um blog ou já deu entrevista para um jornal impresso que tenha versão online, há grandes chances de seu nome estar na internet, esteja você de acordo ou não.

Isso ocorre pois, constantemente, os serviços de busca indexam – ou numa linguagem mais simples, agregam – sites novos, velhos ou atualizados no “banco de dados” do buscador. Ou seja, não existe um controle. Tudo que estiver relacionado a um nome, por exemplo, estará mais cedou ou mais tarde no Google.

Em dezembro do ano passado, em entrevista à CNBC, Eric Schmidt, CEO do Google, disse: “Se você tem algo que você não quer que ninguém saiba, talvez você não deva publicar isso na internet”, quando perguntado sobre a questão da privacidade na internet. Quanto ao moço dos DVDs, o Google alegou que “apenas organiza as informações” e que “não gera conteúdo”. Como recomendação, em comunicado, o Google sugere ao usuário que pare de clicar no resultado, pois isso pode mantê-lo em evidência nas buscas.

Como fugir

Não há muitas possibilidades para quem quer fugir do Google. Só o fato de o usuário ter uma conta no Twitter ou no Facebook com seu nome completo, durante uma busca é possível acessar o link para acesso ao perfil dessas pessoas nas redes sociais.

Segundo o analista sênior de SEO (Otimização de Motores de Busca) Bruno Galileu – que tem como função melhorar o posicionamento de websites em serviços de busca -, a única solução é se “camuflar”. “O jeito é não participar de nada com o nome real ou, em casos de comentários em blogs, postar como anônimo.” Até porque, na internet, como no momento da prisão, qualquer coisa divulgada pode ser usado para falar sobre você, seja de forma negativa ou positiva.

Há alguns anos, por exemplo, era comum a sobreposição de imagens para que o rosto de famosas e famosos aparecessem sobre corpos nus – mesmo que as celebridades nunca tivessem posado sem roupa. Com o surgimento de redes sociais e blogs, anônimos também viraram alvo dessas brincadeiras (muitas vezes de mau gosto), tendo suas informações e fotos reproduzidas de acordo com o interesse de outros internautas. No orkut, por exemplo, há comunidades em que internautas reclamam de já ter sido vítimas de perfil “roubado”, enquanto no Twitter são inúmeros os casos de contas fake (falsas).

A prova de que internautas podem produzir – de forma voluntária ou involuntária – informações contra eles próprios e pessoas queridas está na criação de Tumblrs, espécie de blog caracterizado por fotos e textos curtos. O cantor Felipe Dylon é atualmente protagonista de um dos Tumblrs mais populares, que reúne fotos postadas em seu blog oficial e também nas páginas de fãs. A intenção é outra, mas o conteúdo acaba sendo satirizado.

O que fazer?

“Com o desenvolvimento tecnológico, a questão da privacidade fica à mercê do juiz que está cuidando do caso e das circunstâncias da ação”, explica o advogado Renato Opice Blum, especialista em direito eletrônico. Ele ressalta que a gravidade do caso pode ser mensurada pelo grau de constrangimento que um texto ou uma imagem pode causar a uma pessoa.

Em linhas gerais, o conselho para quem se sentir lesado por algo na internet é juntar provas (dar prints na tela e salvar) e procurar o autor da injúria ou o portal que hospeda a informação caluniosa. Caso haja recusa, a pessoa deve procurar um advogado.

No entanto, o acesso direto a um site não é a única forma de visualizar um conteúdo. Muitas pessoas procuram informações através de serviços buscadores. “Às vezes um conteúdo pode ser retirado de um site, porém, se você fizer uma busca, você verá que aquele constrangimento sofrido pode estar por lá ainda”, adverte Opice Blum.

Nesse caso, complementa o advogado, o buscador, por não ter indexado as atualizações da página com a difamação se torna co-autor da ação e pode ser submetido a pagar uma indenização à pessoa lesada.

Para saber o que estão falando de você na web há dois aplicativos que ajudam na função. Há o Google Alerts. Basta digitar as palavras que você quer monitorar e cadastrar um e-mail. De estilo semelhante, tem o Social Mention e o Keotag. Ambos fazem buscas em blogs e redes sociais.

Conheça a WorldCat

A WorldCat possui mais de 67 milhões de registros bibliográficos e 1 bilhão de registros de coleção, utiliza as ferramentas do Google e Yahoo! de busca para localização dos registros em sua base, e é disponível também aos usuários por meio de assinatura.

WorldCat é, na verdade, um grande banco de dados de livros, documentos, artigos, CDs de música, vídeos etc., que podem ser encontrados em bibliotecas em todo o mundo. Você pode procurar por autor, título ou assunto e as informações sobre onde encontrar o material são rapidamente disponibilizadas. Os resultados das buscas podem ser vistos em inglês, francês, neerlandês, alemão ou espanhol.