O Google comprou uma Moto-encrenca

Esqueça o discurso do Google sobre como a aquisição da Motorola vai ajudar a dar uma supercarga no Android. A compra será um baita problema para a companhia.

De acordo com o posicionamento oficial, o principal motivo para a decisão foi o vasto portfólio de patentes ligadas à telefonia móvel da Motorola Mobility. Cada vez mais acuado por Apple e Microsoft, que acusam fabricantes do Android de ferir propriedade intelectual, o Google precisava se defender de alguma maneira. Os processos judiciais multiplicam-se e podem ser exigidas licenças de quem produz os celulares com o sistema operacional.

Para Florian Muller, especialista em patentes e autor do blog FOSS Patents, o argumento não faz o menor sentido. Ele afirma que a Motorola já está em confronto litigioso contra a Apple e a Microsoft. Os processos ainda estão em andamento, mas, até o momento, a Motorola não foi capaz de superar as rivais no número de patentes que diz terem sido copiadas. Isso significa que, nos dois casos, há grande probabilidade de um futuro acordo judicial ser desfavorável para a Motorola.

O que, então, o Google deseja? É bem provável que tenha decidido adquirir um fabricante de hardware para fornecer aparelhos com maior integração com o software. Seria uma maneira de copiar o modelo adotado pela Apple e, ao mesmo tempo, manter aberta a possibilidade para que outros fabricantes também produzam smartphones com Android. Só que a Samsung, a HTC e a LG não vão gostar nem um pouco disso.

De parceiro, o Google tornou-se um concorrente delas. Embora diga que a operação da Motorola será independente, é lógico que haverá comunicação intensa entre os executivos. É natural. Ninguém compra uma empresa e depois a coloca dentro de uma bolha. Existirá um cuidado todo especial com telefones produzidos ali, para que a experiência seja a melhor possível. Afinal, agora o nome do Google estará associado aos produtos, e não vai adiantar nada dizer que são empresas diferentes. Samsung, HTC e LG ficaram em segundo plano.

De uma hora para a outra, o Google jogou as três no colo da Microsoft. O Windows Phone 7.5 já estava no mapa delas, mas sem dúvida será analisado com mais carinho. A Nokia terá mais concorrência do que espera, o que é bom para Bill Gates. Como haverá mais variedade de aparelhos e mais marketing no sistema da Microsoft, isso poderá impulsionar o crescimento de uma terceira força no mundo dos smartphones. Ninguém quer virar refém de um concorrente.

Os problemas não terminam aí. A Motorola quase faliu poucos anos atrás. Só conseguiu um pouco de tempo para respirar por causa do Android. Mesmo assim, as coisas não estão boas. Dentre os principais fabricantes de celulares com o sistema do Google, foi a única empresa cuja participação no mercado diminuiu no segundo trimestre do ano, segundo o Gartner. Sem contar que o Google não tem a menor experiência em produção em larga escala e em lidar com consumidores.

Quem mais ganha com essa história toda é a própria Motorola. Não é de se espantar que eles tenham tentado dar uma pressionada para que a venda acontecesse. A companhia chegou a dizer que estava pronta para aderir ao Windows Phone e também ameaçou processar os outros fabricantes de Android, por violação de patente. Coisa fina.

Fonte: Info Online
Foto: viskas/Flickr
Anúncios

HD ‘mágico’ transforma 128 MB em 500 GB (mas não funciona, claro!)

Um homem foi até a fronteira da Rússia com a China para comprar, de um CONTRABANDISTA, um HD externo de 500GB. A probabilidade de dar alguma zebra era grande, muito grande. E adivinhem o que aconteceu quando o russo tentou utilizar o HD pela primeira vez: claro, não funcionou, era falso…

Quando o russo foi até a loja (vulgo contrabandista) onde havia comprado o HD, não conseguiu encontrar ninguém para trocar a mercadoria. Mas o que mais chama atenção foi a engenhoca que o falsificador montou para não ser descoberto. Depois de abrir o case, o russo encontrou um pequeno chip com uma memória de 128 MB programada para representar 500GB aos olhos de quem o plugasse em algum computador; e de quebra uns pesinhos para ninguém desconfiar da leveza.

E mais: se alguém resolvesse passar um arquivo de mais de 128 MB para dentro do HD, a memória forjaria espaço interno, alocando dados em cima de dados previamente armazenados. Ou seja, arquivo perdido na certa!

Se a moda pega…

Fonte: CrunchGear

O que significa esse “bip” durante a inicialização do meu computador?

Quando você liga o seu computador, é comum ouvir alguns “bips” não é? Basta ter um pouco de atenção para reparar que nem sempre esses sons são iguais. Mas o que geralmente é ignorado, às vezes pode indicar que a máquina está com algum problema.

O “bip” é uma forma de comunicação da máquina, e dependendo o tipo de som que ele emite, é possível descobrir se o seu computador precisa de reparos ou se ele simplesmente está “avisando” que está tudo bem.

Atualmente, algumas placas-mães mais atualizadas substitui o apito por uma mensagem bem objetiva, mas se esse não é o seu caso, confira este tutorial e veja o que cada sinal representa:

Antes, no entanto, é necessário identificar que tipo de BIOS é utilizada em seu computador. Para isso, basta olhar as informações apresentadas logo na primeira tela que o computador apresenta ao iniciar.

Se a sua máquina usar a:

– BIOS AMI

Passo 1. Memória: Problemas na memória RAM do computador podem ser indicados com um bip curto, um bip longo seguido de três curtos ou apenas três apitos curtos. Se o sinal for de dois bips curtos, geralmente ocorreu um erro de paridade na memória.

Passo 2. Processador: cinco bips curtos indicam que existe algum erro no processador da sua máquina.

Passo 3. Placa de Vídeo: se você ouvir oito bips curtos ou um longo e dois curtos, pode ser que haja algum problema com a placa de vídeo do computador.

Passo 4. CPU: um erro no CPU do seu computador será identificado com sete bips curtos. Mas cuidado para não se confundir! Se a BIOS emitir seis bips curtos, provavelmente o erro é no teclado, o que pode ser solucionado com a troca do mesmo ou substituindo o chip.

– BIOS Award

Passo 1. Tudo certo: se você ouvir um bip curto ao inicializar o computador, em geral significa que ele não contém erros. Mas se não ouvir nada, confirme se o speaker está conectado à placa-mãe.

Passo 2. Memória: aqui, problemas na memória são indicados com um bip longo.

Passo 3. Processador: se o seu computador emitir vários bips em volumes diferentes, o problema está no processador. Caso ocorram bips contínuos baixos seguidos pela reinicialização automática ou não da sua máquina, significa que seu processador está superaquecendo.

Passo 4. Placa de vídeo: problemas com a placa de vídeo do seu computador podem ser identificados ao sinal de um bip longo e três curtos, ou apenas dois bips curtos.

Antes de desmontar sua máquina inteira atrás do problema, verifique o manual da placa-mãe do seu computador e confirme qual é a BIOS dele. Diversos outros sinais podem indicar que a máquina está com problemas, mas em geral esses são os primeiros e mais comuns.

Para solucionar os problemas apontados acima, entenda qual é o caso: se o apito indicar aquecimento do processador, por exemplo, a orientação é que você desligue a máquina imediatamente e chame um técnico. Mas se os bips indicaram problema na memória RAM ou na placa de vídeo, pode ser apenas um mal contato. Você pode tentar retirar e inseri-las novamente.

Informações mais detalhadas sobre problemas específicos da BIOS podem ser conferidas no site das próprias fabricantes. Consulte o portal da Phoenix (detentora da Award) ou da AMI.

Gerencie arquivos em seu smartphone Android com o AndroZip

Uma das mais evidentes deficiências do sistema operacional Android é a ausência de uma ferramenta para gerenciamento de arquivos. No entanto, aplicativos como o AndroZip, disponível gratuitamente na loja Android Market, vem para ajudar exatamente nisso.

Com ele é possível explorar documentos, gerenciar tarefas, criar cópias de segurança (Backup) de aplicativos e mais em uma interface simples e intuitiva. Considero ele o primeiro programa que deveria ser instalado em seu smartphone.

Com o aplicativo você pode buscar e navegar dentro das pastas, localizadas tanto na memória interna do aparelho quanto no cartão de memória SD. Para deletar, renomear, copiar, mover ou conhecer as propriedades de um documento, basta tocar o item por alguns segundos. Ainda é possível utilizar a opção Send, para enviá-lo por e-mail, sendo o campo assunto preenchido automaticamente com o mesmo nome do arquivo.

Se ele estiver nos formatos ZIP, RAR, 7ZIP, GZIP, TAR, or BZIP2, você pode extraí-lo para uma pasta ou, caso tenha a extensão .APK, realizar a instalação. Recurso importante para lidar com aplicativos de empresas terceiras como o Fennec, da Mozilla.

Outro serviço interessante é a capacidade de selecionar uma variedade de documentos e agrupá-los em um arquivo compactado, economizando espaço e facilitando o envio do conteúdo em anexo via e-mail.

A função de busca (Search) também é muito conveniente. Por exemplo, digitando .jpg, você encontrará todas as fotos com esse formato que estiverem localizadas em seu cartão SD. O programa, infelizmente, não oferece opção de salvar um histórico de pesquisas, o que pode ser considerado um aspecto negativo.

Entretanto, um dos principais recursos é realização de backup. No Menu, acesse a opção App Manager e escolha um aplicativo. O programa realizará a cópia para uma pasta chamada “app_backup” no cartão de memória. Posteriormente, se ocorrer um bug, uma interrupção do sistema, ou você mudar para um novo smartphone com o mesmo sistema operacional, você poderá instalar a versão que foi salva, sem precisar baixar ele novamente. Essa ferramenta pode ser aplicada para qualquer aplicativo instalado.

O AndroZip ainda possui uma ferramenta simples chamada Task Manager, com ela você pode ver e finalizar processos que estejam em execução ou até mesmo desinstalar um aplicativo.

Diferente de outros concorrentes como Astro File Manager, o AndroZip não consegue fazer lembrar sua posição numa estrutura de diretórios. Por esta razão, se você gasta muito tempo navegando em complexas pastas hierárquicas, você preferirá o Astro. Mas se esse recurso não é tão importante, o AndroZip será uma ótima escolha.

Instale um medidor de bateria melhor em seu notebook

O BatteryBar é um medidor de bateria gratuito que é compatível com o Windows XP, Windows Vista e Windows 7 e, francamente, deveria fazer parte de todos eles. Geralmente é necessário parar o cursor do mouse sobre o ícone da bateria na barra de tarefas para que o Windows informe quanto de energia resta. O BatteryBar adiciona à barra um medidor em tempo integral, fácil de ler, que por si só já é bastante útil.

Este medidor lhe mostra ou a percentagem de carga ou o tempo de autonomia restantes. Basta clicar nele para alternar entre as duas medidas. E quando o notebook está conectado à tomada o medidor muda de cor, de verde para azul, e passa a mostrar quanto tempo falta até que a bateria esteja completamente carregada.

E tem mais: ao parar a seta do mouse sobre o medidor, surge um painel com um monte de informações adicionais, como capacidade total da bateria, taxa de carga e descarga, status da alimentação e até mesmo uma estimativa de vida útil baseada em históricos de carga e descarga. Isso sim é que é um medidor!

Embora o BatteryBar seja gratuito, há uma versão Pro que adiciona novos recursos, como um gráfico com perfis de baterias, alertas de bateria baixa ou em nível crítico e mudanças automáticas no esquema de gerenciamento de energia do Windows que entram em ação sempre que você pluga ou despluga o notebook da tomada.

E quanto custa? O desenvolvedor deixa você escolher: US$ 3 por uma licença de um ano, US$ 5 por dois anos, ou entre US$ 7 e US$ 9 por uma licença por toda a vida. E com US$ 10 você consegue duas licenças vitalícias. E embora eu acredite que a maioria dos usuários estará feliz o suficiente com a versão livre, aprecio esta estratégia criativa de preços.

Pago ou gratuito, não importa. Se você tem um notebook, não deixe de instalar o BatteryBar.

Cinco formas de fazer o Android 2.1 funcionar como o Android 2.2

Se você possui um smartphone com o sistema operacional Android e está impaciente porque o seu aparelho ainda não recebeu atualização para a versão 2.2 (também conhecida como Froyo) ou, talvez, insatisfeito porque ele não receberá o upgrade, acalme-se!

O que você pode fazer é instalar aplicativos no seu Android 2.1 com recursos que seriam exclusivos do Froyo.

Isso significa que você já poderá utilizar o seu smartphone como modem 3G (em inglês, tethering) e conectá-lo a um PC, Mac ou notebook, controlar o aparelho por comando de voz, entre outras funções.

Nota: este post se baseia no Droid X, da Motorola. Como a interface do sistema operacional móvel tem sido personalizada pelas fabricantes, talvez nem todas as cinco dicas abaixo possam ser úteis em todos os aparelhos.

Smartphone como modem 3G

O mais interessante entre os novos recursos do Android 2.2 é capacidade de realizar tethering de um smartphone para um notebook. E é extremamente fácil, sendo que você só precisará utilizar o aplicativo PdaNet, disponível na loja Android Market.

Com o seu smartphone, baixe o programa e faça a instalação. Concluído isso, ligue o seu computador e realize o download do mesmo aplicativo para o seu computador, que pode ser Windows 7, Vista e XP ou Mac OS X 10.5 ou posterior.

Finalizada a instalação, basta conectar o telefone via Bluetooth ou cabo USB ao aparelho e o acesso estará pronto. Lembrando que a aplicação precisa rodar simultaneamente em ambos.

Enquanto estiver conectado, o PDANet em seu smartphone exibirá informações sobre a conexão e a quantidade de dados transferidos, entre outros.

O software está disponível em duas versões. A primeira é gratuita e não permite visitar sites sob o protocolo HTTPS, que é utilizado por emails ou lojas online. Para visitar estes sites protegidos, é preciso adquirir a segunda versão, que é paga. A licença custa cerca de 23,95 dólares.

Caso use este software, você precisará verificar as condições de serviço da sua operadora, pois o contrato pode não permitir tethering.

Nota: você pode ter problemas ao usar este aplicativo com um Droid X e um Mac. Aqui está a correção: quando você ligar o smartphone via USB, selecione o item “USB Mass Storage” localizado na lista de notificações de seu smartphone. Você também deve colocar a tela do seu Droid X em modo de proteção, mas não desligue o aparelho.

Otimize o Android

Outro quesito importante do Froyo é que ele torna os dispositivos ainda mais rápidos e práticos. Como não existe, ainda, nenhum método para acelerar a versão 2.1, o que você pode fazer é otimizá-lo, deixando em espera apenas os programas que necessita.

Com o multitarefa do Android, muitas pessoas não fecham os aplicativos depois que terminam de utilizá-los. Elas simplesmente voltam à tela principal e rodam outra aplicação. Assim, outros programas e recursos podem continuar funcionando, consumindo memória e tempo do processador.

O Android, periodicamente, limpa todo os serviços que não estão sendo utilizadoss. No entanto, algumas pessoas acreditam que essa ferramenta não funciona tão bem quanto deveria. Por isso preferem usar um aplicativo capaz de finalizar qualquer tarefa que ainda esteja em execução.

Entre os vários apps gratuitos com essa finalidade na loja Android Market, dois são destaque: Task Manager e Advanced Task Killer.

Ambos funcionam da mesma forma. Mostram tudo que está em reprodução e permitem que você encerre a atividade de qualquer um deles.

O Advanced Task Killer exibe mais tarefas e serviços que o Task Manager, apesar de não ter qualquer diferença em termos de velocidade.

Qual deles funcionará melhor? A única maneira de descobrir é experimentando.

Existem outras ferramentas que podem aprimorar a velocidade. Elas envolvem, principalmente, o encerramento de atividades que não são sempre usadas, como é o caso do email.  Por exemplo, ter o seu smartphone constantemente verificando se existe ou não uma nova mensagem pode deixá-lo mais lento. Além de, possivelmente, reduzir o tempo de vida útil da bateria. Uma solução é programar para que essa análise seja feita com menos freqüência ou apenas manualmente.

Para alterar o intervalo de pesquisa, acesse o seu aplicativo de e-mail, pressione a tecla Menu e selecione Configurações de e-mail. Altere para que essa atualização seja feita apenas manualmente.

Você também pode desligar outros recursos como GPS ou Wi-Fi. A maioria dos telefones Android tem um widget para ajudar nisso. Com ele, você poderá desligá-los e reativá-los quando necessário.

Também é uma boa ideia desinstalar aplicações recém-instaladas, mas que não estão sendo aproveitadas. E se depois de baixar um novo app você observar que o seu dispositivo está mais lento, remova ele.

É surpreendente como muitas vezes o comportamento dos apps podem prejudicar o desempenho de um smartphone.

Controle de voz

O Voice Actions for Android, da Google, é um ótimo aplicativo gratuito para controlar o seu telefone utilizando comandos de voz. Com ele é possível carregar páginas da Web, enviar mensagens de texto e ligar para algum contato. A má notícia: embora ele não esteja pré-instalado no Froyo, apenas telefones com a versão 2.2 podem usá-lo.

Entretanto, usuários do Android 2.1 não precisam se sentir esquecidos: isso porque o gratuito Vlingo for Android permite que você use sua voz para discar para contatos, enviar e-mails, mensagens de texto, tuitar e muito mais.

O Vlingo não faz tudo o que o Voice Actions pode fazer. Não pode, por exemplo, carregar uma página da Web ou executar uma música. Mas, por outro lado, ele pode iniciar aplicativos.

Ele é extremamente fácil de usar: execute o programa e diga algo ao aparelho e ele fará exatamente o que você disser.

Tal como acontece com todas as aplicações de voz, não espere que o Vlingo reconheça exatamente todos os nomes que você falar. Além disso, você possivelmente terá que fazer algumas correções ortográficas antes de enviar um texto para alguém. Mas, ainda assim, ele faz um trabalho notável.

Adobe Flash no Android 2.1

Um site chamado AddictiveTips afirma ter encontrado uma maneira de executar o Adobe Flash em alguns celulares Android 2.1. O processo envolve o download de um aplicativo Flash zipado para o seu PC e copiá-lo para o cartão SD do seu aparelho.

Para a instalação, use um aplicativo chamado Apps Installer e depois reinicie.

Embora pessoas tenham relatado que ele funciona bem no HTC EVO, no Nexus One e no Droid Eris, esse recurso não funciona em todos os telefones. No Droid X, por exemplo, ele não roda.

Mas se você sente a necessidade de rodar Flash no seu aparelho, acredito  que o teste da ferramenta possa valer a pena.

Mais interfaces

Muitos fabricantes de smarphones ajustam a interface do Android – na verdade, a razão pelo qual o Froyo não está sendo lançado ao mesmo tempo para todos os aparelhos é exatamente porque essas empresas ajustam o Froyo de acordo com o seus aparelhos.

Por exemplo, o número interfaces na tela principal no Android 2.1 pode variar de telefone para telefone. O Milestone possui três páginas e com o Froyo esse número aumenta para cinco. O Droid X, por outro lado, foi lançado com sete.

Se o smartphone não tem tantas interfaces na tela principal, você não precisa esperar pelo Froyo. É possível expandir para até sete com um aplicativo gratuito chamado Launcher Pro, que está disponível na Android Market.

Dependendo do seu dispositivo, você pode ter problemas ao executá-lo. Se isso acontecer, tente consertar com o aplicativo Home Switcher, também disponível na loja de apps da Google.

O Home Switcher permite que você escolha se deseja usar os recursos da tela inicial de fábrica ou a interface do Launcher Pro.

Seu PC está lento? Saiba como consertar

Não é incomum: você está trabalhando e de repente seu PC “cai de joelhos”, lento demais para completar qualquer tarefa, mal capaz acompanhar o movimento do ponteiro do mouse. Este é o tipo de problema cuja causa é difícil de identificar, mas os passos a seguir podem ajudá-lo nesta tarefa, e talvez fornecer uma pista para a solução.

1. Procure por malware: “malware”, software malicioso como vírus, worms, spywares, keyloggers, trojans e afins, pode ser o culpado. Se seu PC estiver sendo usado para envio de SPAM em massa ou participando de outra atividade maléfica sem seu conhecimento, certamente ficará mais lento. Eu assumo que você já tenha um bom anti-vírus atualizado, mas por precaução vale a pena instalar um programa como o SUPERAntiSpyware ou o Anti-Malware da Malwarebytes e fazer uma varredura na máquina. Nunca se sabe o que pode estar escondido “debaixo do tapete”.

2. Procure por processos fominhas: um processo é um programa, ou parte de um programa, que está em execução em seu computador. Sempre que você está usando o Windows, há centenas de processos em execução simultaneamente. Um processo “desgarrado”, que decidiu consumir recursos demais (como poder de processamento ou memória) da máquina pode deixar todo o sistema mais lento.

Para ver os processos em execução, tecle Ctrl+Alt+Del e escolha a opção Iniciar Gerenciador de Tarefas. A seguir clique na aba Processos e nas colunas CPU ou Memória para ordenar a lista por consumo de recursos do processador ou da memória, e veja quem está no topo. Se você achar um processo consumindo, digamos, 80% dos recursos da CPU, encontrou o culpado. Clique no nome do processo na lista e no botão Finalizar processo para “matá-lo”, ou seja, forçar seu encerramento. Se você notar que o processo fominha vem sempre do mesmo aplicativo, talvez seja uma boa idéia comunicar ao desenvolvedor: pode ser um bug.

3. Livre-se de programas que se iniciam automaticamente: muitos PCs sofrem com um excesso de programas que são carregados automaticamente a cada vez que são ligados. Na verdade, muitos PCs já deixam a fábrica nesse estado. Isso deixa seu micro mais lento e pode causar conflitos.

Para ver quais programas são carregados juntamente com o sistema operacional, clique no menu iniciar e digite msconfig no campo de texto (sem as aspas), seguido pela tecla Enter. Clique na aba Inicialização de Programas. Tudo o que estiver ali será carregado junto com o sistema operacional sempre que for ligado. Para impedir que um programa (como o iTunes ou o atualizador automático de programas do Google, por exemplo) seja carregado, basta desmarcar a caixa em frente ao seu nome. Depois clique em Aplicar e pronto.

Mas fica a dica: alguns programas ali listados podem ser essenciais para o funcionamento do Windows ou de seus aplicativos. Se você não tem a mínima idéia do que um programa faz, deixe-o quieto ou pelo menos procure no Google para que ele serve antes de agir.

4. Tome notas: se as dicas acima não adiantarem, mantenha um bloquinho e uma caneta ao lado de seu PC. Quando ele começar a ficar lento, anote quais programas você estava rodando e o que você estava fazendo na hora. Depois de um tempo, você pode acabar descobrindo que o culpado é um programa ou conjunto de ações específico. E porque bloquinho e caneta? Para você não ter de abrir um editor de textos bem na hora em que seu micro começa a se arrastar feito uma tartaruga com reumatismo.

5. Mude seus hábitos: sei que você não vai gostar de ler isso, mas talvez seu PC não seja poderoso o suficiente para o que você está fazendo com ele. Para resolver o problema, tente fazer menos coisas ao mesmo tempo. Se possível, feche um programa grande (como o Office) antes de abrir outro (como o Photoshop). Substituta aplicativos mais lentos por alternativas mais rápidas. E não atualize seus principais aplicativos a não ser que realmente precise disso: versões mais recentes são sempre mais lentas.

6. Atualize seu hardware: se seu PC é lento demais para as tarefas que você precisa – ou quer – realizar, talvez seja necessário investir algum dinheiro para resolver o problema. Não, você não precisa comprar um computador novo: adicionar mais memória RAM ou um HD com mais espaço e mais rápido podem lhe dar melhor desempenho sem grandes despesas. O mesmo pode ser dito de uma placa de vídeo, como os modelos da NVIDIA com suporte à tecnologia CUDA, que podem acelerar tarefas como edição de imagens e conversão de vídeo além, é claro, dos seus jogos favoritos.