Propaganda de acessório coloca jogadores pelados

Sente-se desconfortável jogando videogame? Sua roupa incomoda você no meio daquele chefe complicado de se matar? Ou simplesmente tem coisas no seu bolso nas quais você tem que ficar prestando atenção enquanto joga? Nunca mais enfrente esse tipo de problema, passe a frequentar festas como essa para jogadores de videogame pelados nas casas mais badaladas de Nova York.

Calma, é brincadeira, o mundo não está pronto para ver alguns de nós jogadores do jeito que viemos ao mundo. Esse vídeo trata-se de uma campanha de marketing viral para um acessório chamado XtendPlay para o Xbox 360 e PlayStation 3, o qual você vê todas as pessoas da festa usando.

O produto é para aqueles que se sentem desconfortáveis jogando, não pelas roupas, mas talvez pela pegada dos controles ou pelas mãos ficarem suadas enquanto jogam. Ele adiciona um grande pedaço de material macio e ergonômico, com aberturas para passagem de ar com a intenção de manter as mãos refrescadas.

O XtendPlay custa US$ 19,99, e pelo esforço de juntar tantos atores pelados pra fingir que estão jogando videogame, você até que pode dar uma forcinha pra empresa comprando um.

Anúncios

Nerds transformam opiniões e viram os novos ‘queridinhos’ da sociedade

Os nerds não mudaram. O que mudou foi a sociedade. Depois que os esquisitos do colégio se tornaram os homens mais ricos do mundo, ser nerd virou uma escolha, e não uma imposição. “Quando eu estava no colégio, o grupo de nerds era formado por pessoas que haviam sido excluídas de outros grupos. Hoje, as crianças optam por ser nerds”, conta Benjamin Nugent, autor do livro “American Nerd: The Story of my People” (“Nerd Americano: A História do Meu Povo”, ainda sem publicação em português).

O Dia do Orgulho Nerd foi criado em 2006 para celebrar essa transformação. A data escolhida foi 25 de maio em referência à estreia do primeiro filme da série Guerra nas Estrelas, em 1977, um dos ícones do movimento. “Nerd é uma identidade subcultural que os jovens escolhem em uma prateleira onde também estão os hippies, punks e skatistas”, completa Nugent.

“O nerd não mudou. Ele continua sendo aquele cara completamente ligado e entendido sobre certos assuntos, como tecnologia e quadrinhos. O que mudou foi a cultural atual, que valoriza isso. Os nerds querem ser nerds e as pessoas querem ter nerds por perto”, explica a especialista em comunicação e cultura Lia Amancio.

Para Nugent, a maior aceitação dos nerds pela sociedade os tornou mais sociáveis. Hoje, eles se sentem mais confortáveis ao serem chamados de nerds, especialmente as meninas. “No momento em que há mais meninas no grupo, isso muda tudo para melhor. Quando eu tinha 14 anos, havia apenas uma menina que saía com a gente. Uma”, conta Nugent.

“É notável o quanto os nerds permanecem os mesmos. O livro ‘Tom Brown’s School Days’, escrito em 1857, mostra nerds construindo máquinas em seus quartos e sendo oprimidos por fazerem isso” explica Nugent, citando a obra publicada há mais de 150 anos. “Naquela época, eles não eram chamados de nerds, mas já existiam.”

O termo “nerd” foi citado pela primeira vez no livro “If I Ran the Zoo” (“Se Eu Cuidasse do Zoológico”), em 1950, para descrever um bichinho desengonçado, e se tornou popular nos Estados Unidos no início da década de 60.

Efeito Gates

Os especialistas responsabilizam um dos homens mais rico do mundo pelo prestígio conferido aos nerds hoje. “Parte do que trouxe os nerds para o mainstream cultural foi o fato de o Bill Gates fazer parte do grupo”, diz Nugent. “Os nerds de ontem deram a volta por cima em termos de reputação: você batia em mim na escola e olha onde eu estou agora”, complementa Lia. Filmes e séries de Hollywood ajudaram a transformar a opinião sobre os nerds. “Os retratos dos nerds se tornaram mais simpáticos nos filmes”, diz Nugent.

O nerd de apenas 15 anos, Daniel Barradas, tem como ídolo, além de Bill Gates, o personagem Leonard, da série “The Big Bag Theory”. O programa, exibido no Brasil pelo Warner Channel, conta a história de quatro físicos superinteligentes viciados em quadrinhos e videogames.

Barradas, que ganhou o primeiro computador aos 5 anos, vai prestar o vestibular do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), quer ser físico na área espacial e tem como matérias prediletas matemática e física. Para completar, ele conquistou a medalha de menção honrosa na Olimpíada Brasileira de Física em 2010, escreveu um livro publicado quando ele tinha 11 anos e está produzindo o próximo.

“Acho que ainda existe muito preconceito. Quando eu tiro uma nota boa ou ganho um prêmio, os outros alunos me olham de um jeito estranho. Mas isso tem mudado”. Barradas conta que o número de alunos aderindo ao grupo dos nerds da turma está aumentando. Em 2010, eles eram três. Hoje, o grupo é formado por sete estudantes em um total de 50.

“Ainda que seja um grupo pequeno, as pessoas estão tentando entender essa cultura. Eu não tenho do que me envergonhar. Pelo contrário. Ser nerd é bom porque eles são mais inteligentes e têm mais chances de conseguir emprego”, defende o estudante do 1º ano do Ensino Médio que começou a se interessar pela cultura nerd quando ganhou um lego do Guerra nas Estrelas.

Abrangente

Para ser considerado nerd, Barradas acredita que a pessoa deve gostar dos assuntos que faziam parte da origem do termo, como os quadrinhos e tecnologia. Já Lia acha que o termo se tornou mais abrangente. “É difícil identificar um nerd pelo jeito dele se vestir. Quem não faz parte do grupo chama tudo de nerd. As fronteiras ficaram mais tênues”, explica.

Para tirar a prova sobre o que realmente mudou, basta comparar o ícone dos nerds de 1980 e de 2011: Bill Gates e Mark Zuckerberg, respectivamente. “A maior diferença entre Gates e Zuckerberg é que o fundador do Facebook era excepcionalmente jovem quando começou a ter influência. Ele é exposto para o público por meio das tecnologias que os nerds ajudaram a construir. Podemos invadir a privacidade de Zuckerberg pelas redes sociais”, diz Nugent.

No entanto, o fato de a tecnologia ter se popularizado não transformou o nerd, segundo Lia. “Usar a internet com frequência não faz de ninguém um nerd. O cara vai continuar sendo nerd independente da tecnologia. O que pode ter acontecido é que todo mundo hoje tem computador e Twitter. Por isso, o nerd está sendo mais aceito”, opina.

Sobre o futuro, Nugent liga o movimento nerd ao do hip hop para prever que mais adeptos irão se juntar ao grupo. “Tem muitas coisas sobre os artistas do hip hop como Tyler, The Creator, e outros integrantes do grupo Odd Future que me deixam intrigado. Eu acho que eles mostraram que é possível ganhar um grande número de seguidores usando tecnologias sociais de maneira inteligente e falando sobre alienação social”, conclui.

Fonte: G1

Gerencie arquivos em seu smartphone Android com o AndroZip

Uma das mais evidentes deficiências do sistema operacional Android é a ausência de uma ferramenta para gerenciamento de arquivos. No entanto, aplicativos como o AndroZip, disponível gratuitamente na loja Android Market, vem para ajudar exatamente nisso.

Com ele é possível explorar documentos, gerenciar tarefas, criar cópias de segurança (Backup) de aplicativos e mais em uma interface simples e intuitiva. Considero ele o primeiro programa que deveria ser instalado em seu smartphone.

Com o aplicativo você pode buscar e navegar dentro das pastas, localizadas tanto na memória interna do aparelho quanto no cartão de memória SD. Para deletar, renomear, copiar, mover ou conhecer as propriedades de um documento, basta tocar o item por alguns segundos. Ainda é possível utilizar a opção Send, para enviá-lo por e-mail, sendo o campo assunto preenchido automaticamente com o mesmo nome do arquivo.

Se ele estiver nos formatos ZIP, RAR, 7ZIP, GZIP, TAR, or BZIP2, você pode extraí-lo para uma pasta ou, caso tenha a extensão .APK, realizar a instalação. Recurso importante para lidar com aplicativos de empresas terceiras como o Fennec, da Mozilla.

Outro serviço interessante é a capacidade de selecionar uma variedade de documentos e agrupá-los em um arquivo compactado, economizando espaço e facilitando o envio do conteúdo em anexo via e-mail.

A função de busca (Search) também é muito conveniente. Por exemplo, digitando .jpg, você encontrará todas as fotos com esse formato que estiverem localizadas em seu cartão SD. O programa, infelizmente, não oferece opção de salvar um histórico de pesquisas, o que pode ser considerado um aspecto negativo.

Entretanto, um dos principais recursos é realização de backup. No Menu, acesse a opção App Manager e escolha um aplicativo. O programa realizará a cópia para uma pasta chamada “app_backup” no cartão de memória. Posteriormente, se ocorrer um bug, uma interrupção do sistema, ou você mudar para um novo smartphone com o mesmo sistema operacional, você poderá instalar a versão que foi salva, sem precisar baixar ele novamente. Essa ferramenta pode ser aplicada para qualquer aplicativo instalado.

O AndroZip ainda possui uma ferramenta simples chamada Task Manager, com ela você pode ver e finalizar processos que estejam em execução ou até mesmo desinstalar um aplicativo.

Diferente de outros concorrentes como Astro File Manager, o AndroZip não consegue fazer lembrar sua posição numa estrutura de diretórios. Por esta razão, se você gasta muito tempo navegando em complexas pastas hierárquicas, você preferirá o Astro. Mas se esse recurso não é tão importante, o AndroZip será uma ótima escolha.

10 aplicativos que são capazes de tirar qualquer um do sério

O processo de instalação é automático e ícones aparecem inadvertidamente. Exibem, sem a menor cerimônia, alertas irritantes na tela do computador. Eles pedem autorização para que a atualização comece, mas não aceitam um “não” como resposta; ao término, exigem que o computador seja reiniciado. Importunam o usuário com propagandas de suas versões pagas; mandam spam, imploram pela assinatura, insistem. O browser sofre.

Todos nós já experimentamos aplicativos irritantes. Alguns, inclusive, vêm pré-instalados no sistema. Fiz uma lista deles, selecionados a partir das opiniões de usuários espalhadas pela Internet e organizados sem uma ordem específica.

iTunes

Eu gosto da interface do iTunes e do modo como se comporta, mas ele é notoriamente grande e pesado, demorando a iniciar. Tenho a mesma reclamação quanto à sua loja online, a iTunes Store.

Mas é a atitude intransigente da Apple em relação a dispositivos de marcas que não a sua que me tira do sério. Desde o início, o software está preso aos iPods e iPhones, tornando difícil a tarefa de comprar uma mídia pelo serviço e transferi-la para outros aparelhos.

Com as músicas, a empresa reduziu os inconvenientes de seu monopólio do mercado digital, mas a restrição a outros players se mantém. Quanto aos vídeos, a era sombria do DRM ainda não passou: tente assistir algum filme do iTunes em um home theater de uma fabricante qualquer e verá do que estou falando.

Eu nunca vi um software com atualizações tão frequentes. É comum ser interrompido em meus afazeres com uma notificação sobre uma nova versão. Ao recusar o pedido, ela não demorará a aparecer novamente, recorrentemente.

Ah, e não se esqueça da estratégia da Apple, que vê nesses updates uma ótima oportunidade para instalar outros softwares nas máquinas dos desavisados – como o seu navegador Safari – torcendo para que o usuário clique “avançar” sem antes desmarcar os itens indesejados. Muito perspicaz.

“Eu escolheria o iTunes como o pior”, disse Peter VanRysdam, CMO da 352 Media Gruop. “Essas atualizações que surgem a todo instante, essa tentativa de baixar coisas que não quero… Ora, estou bem com a versão atual do QuickTime, obrigado”.

Lembrando que, caso você aprove a nova instalação, demorará um bocado para a conclusão do processo e, ao final, terá que reiniciar o computador para que as mudanças façam efeito.

Adobe Reader

Para um programa que eu nem uso muito, ele requer atenção e cuidado demais. Frequentemente pede meu consentimento sobre uma atualização, que contará com novos recursos que eu nunca irei usar.

O sistema, ainda por cima, contém falhas. “Os pop-ups de instalação surgem periodicamente”, diz Nir Gryn, de Nova York. “Aceito os pedidos, mas o download sempre falha. Hoje em dia, os ignoro, mas adoraria que parassem e me deixassem em paz para trabalhar”, completa.

O Reader pode ser inconveniente também quando não há nada de errado com ele. “Toda hora ele coloca um novo ícone na bandeja do sistema, mesmo eu configurando para não fazê-lo”, escreveu Anne Hellmich, de Wisconsin, na página da PCWorld americana no Facebook.

É claro, existem alternativas ao software. No entanto, é possível que um arquivo criado pela última versão do Adobe Acrobat não possa ser aberto em um programa do concorrente.

Real Player

Em um passado não muito distante, a RealPlayer era bem agressiva em sua tática para vender a versão paga do aplicativo. Lembro de, por muito tempo, ter pesquisado pelo modelo gratuito no site da empresa e não ser capaz de encontrá-lo.

Na ocasião, encontrei o link para o download em outro portal, que me direcionava a uma página escondida no portal da RealPlayer. Enquanto baixava o arquivo, ofertas para a assinatura do serviço de música Rhapsody pulavam sem parar. De fato, a companhia quer tanto prover conteúdo ao internauta que não sente vergonha de pedir pelo privilégio repetidas vezes.

No entanto, àqueles que ainda usam o software, as coisas se tornaram bem mais fáceis. Recentemente, resolvi atualizar o programa e encontrei rapidamente um banner para a versão gratuita no site (chamada agora de RealPlayer SP).

A instalação ocorreu sem problemas e não fui bombardeado por anúncios. Palmas à equipe da empresa. Ainda assim, usarei o player por algum tempo antes de aprová-lo com o selo da conveniência.

McAfee

Tenho um antivírus da McAfee no meu computador do trabalho e sempre que olho na bandeja do sistema vejo que o programa iniciou um processo que eu não queria. Usualmente, é alguma verificação agendada (agendada por quem?) que, para completar, aumenta minha ansiedade ao exibir uma contagem regressiva antes de se iniciar.

Claro, o software também me importuna com alertas de registro e atualizações, que eu respondo com um “lembre-me depois” na falta de um “não, e não me apareça mais”. Quando tento imaginar algum tipo de relação humana similar, me vêm à cabeça funcionários de telemarketing e vendedores de carros usados.

Adobe Flash Plug-In

O Adobe Flash é, provavelmente, o aplicativo mais versátil e artístico para desenvolvedores Web. Naturalmente, eles adoram usá-lo.

O problema é que, caso o usuário não tenha o plug-in do programa instalado no navegador, em vez de ver uma atraente animação, um grande buraco branco ocupará a página. Portanto, o software é chato devido ao seu sucesso: ele já é tão difundido que ter a atualização mais recente do plug-in é quase que uma obrigação.

Java Plug-In

A história do Flash se repete. O plug-in do Java tem atualizações frequentes e o internauta é praticamente obrigado a instalá-la. Você pode estar navegando na velocidade da web quando tem que parar tudo que está fazendo para ver o que o Java tem a dizer. Mais uma vez, terá que esperar o fim de processo para voltar às suas atividades normais.

“É frustrante e me incomoda muito”, desabafou Kimbo Fonseca Raz, pelo Facebook. “Desperdiça meu tempo e, só depois da atualização, posso visitar os sites novamente”.

Barra de Ferramentas do ASK

“A barra do ASK não se cansa de voltar ao meu Firefox e, aparentemente, não pode ser detida. Ela é diabólica!”, afirmou Anne McDonald, editora da PCWorld americana.

Muitos já tiveram o mesmo problema. A barra do ASK vem junto com alguns programas gratuitos, como o Nero e o CCleaner, e se a instalação deles não for feita com atenção, ela surgirá repentinamente em seu navegador. Não obstante, alterará a página inicial e o mecanismo de pesquisa padrão para os serviços da empresa.

A desinstalação da barra é tão difícil de ser feita que um programa com este único fim já foi desenvolvido.

Barra de Ferramentas do MyWebSearch

Esse aplicativo ultrapassa os limites da inconveniência e chega a um nível nunca visto antes: “O pior de todos é o MyWebSearch”, decreta Richard Parsons. “Essa coisa destrói computadores! Já gastei horas tentando desinstalá-lo, mas uma parte dele sempre volta quando o sistema é reiniciado”. O horror.

Se você descobrir que esta barra infectou o seu HD, jogue gasolina e ponha-o em chamas. Em seguida, enterre o que sobrar para proteger a Terra de seu mal. Se for favorável a uma atitude mais conservadora, siga as instruções do eHow.

QuickTime

Como já observado, a Apple é insistente em suas tentativas de convencer o usuário a instalar ou atualizar o QuickTime. Sem ele, aliás, o iTunes não funciona.

No computador que uso no trabalho, o QuickTime de alguma maneira se promoveu a visualizador padrão de imagens. Agora, ele carrega sempre que clico em alguma foto e, não satisfeito, já vai me empurrando a versão Pro.

Alex Wawro, editor-assistente da PCWorld americana, adiciona mais um ponto no inventário das insatisfações: “A última vez que instalei o QuickTime no Windows 7, sempre que eu ligava a máquina, ele se adicionava automaticamente aos programas inicializados com o sistema”.

Redes sociais desesperadas

Muitos já reclamaram sobre os métodos de algumas redes sociais, como o Plaxo e o Classmates.com. Em uma tentativa desesperada de trazer mais usuários a seus portais, esses serviços enviam mensagens com a alegação de que algum conhecido está buscando contatá-lo pela rede.

Caso você seja atraído e clique no link, acabará descobrindo que, na verdade, nem conhece esta pessoa ou é aquele indivíduo de quem não sente a menor falta. São boas as chances, também, de ser alguém (atraente) do sexo oposto que, talvez, nem sequer exista.

É provável que, assim como eu, você também tenha uma lista de aplicativos odiados. Sinta-se livre para comentá-los abaixo, conte sobre aqueles pequenos detalhes que te irritam profundamente, tirando-lhe do sério e estragando o seu dia.

Case transforma iPhone em uma bunda

Sucesso de público e crítica, o bumbum é a paixão nacional. Interessante seria aliar essa paixão com a mais nova febre no Brasil, o iPhone. Seria impossível? Não para a loja virtual FredFlare. Em mais novo lançamento, ela anunciou o produto Booty Call Iphone Holder. Em resumo, toda vez que você atender seu telefone, pegá-lo para fins diversos ou mostrá-lo para alguém, terá como obrigação apalpar uma bunda, como você pode ver na foto que ilustra essa postagem.

Capas para iPhone já vimos muitas, mas essa apostamos que fará um grande sucesso por aqui. Além do belo design, este modelo de capa com certeza é indicado para proteger o seu gadget de qualquer queda, pois se a bunda cair no chão, será um amortecedor e tanto para seu iPhone.

Deixando a diversão de lado, vamos falar de preços. A capa não custa caro, comprada nos Estados Unidos ela sai por US$ 18. Com mais alguns dólares de taxa de importação, é possível comprar uma capa dessas e trazê-la para o Brasil, no conforto de sua casa.

Caso queira comprar sua case-bunda agora mesmo, basta apenas entrar no site oficial da FredFlare e fazer sua aquisição. No site há outros modelos de capas protetoras, mas nenhuma supera a paixão nacional.

Fonte: Gizmodiva

Usuários do Twitter cometem barbeiragens via Twitcam; saiba as consequências

Ano passado, um jovem de 16 anos do Rio Grande do Sul trocou carícias sexuais com uma garota de 14 anos durante uma sessão do Twitcam – serviço de webcam ao vivo, utilizado por usuários do Twitter. Um dos espectadores – a transmissão teve mais de 20 mil deles – denunciou o fato para a polícia e ambos foram descobertos. Apesar de o caso ser emblemático, isso só mostra o quanto os internautas estão despreparados para lidar com novas ferramentas de exposição oferecidas no ambiente virtual.

Além da repercussão, há ainda o problema da perpetuação de conteúdo. O material – no caso relatado acima cenas íntimas entre dois jovens – corre o risco de ser espalhado de forma viral, além de ficar hospedado em sites de vídeos ou de downloads, ganhando ainda mais popularidade e longevidade na internet. Por isso lembre-se, antes de filmar qualquer coisa: aquela camerazinha em cima do seu computador faz transmissões para o mundo inteiro. E isso é algo que as vítimas do YouTube ainda têm a ensinar para os (ainda novos) usuários da Twitcam.

Punidos pela lei, os menores foram condenados a prestar serviços comunitários. Esse tipo de exposição entre os jovens não é algo fora do comum, segundo Leila Salomão, professora do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo). “Sempre houve, só que antes eles utilizavam os diários e cadernos de anotações. Hoje em dia, com a internet, muitos não estão preparados para lidar com o grau de abertura [proporcionado pela rede]”.

O mau uso de serviços de vídeo não é um problema apenas para adolescentes. Jogadores do Santos, em uma sessão de vídeo ao vivo, resolveram criticar a atuação de alguns companheiros de clube e também desrespeitar torcedores. A exposição pegou mal e os atletas tiveram de se retratar, também via Twitcam, dizendo se tratar apenas de uma brincadeira.

“Em ambiente privado um assunto pode ter uma repercussão nula. Já em ambiente público [como a internet] isso pode ganhar outras proporções”, adverte Helen Sardenberg, delegada da DRCI-RJ (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), sobre os cuidados antes de emitir alguma opinião durante transmissão na web.

Ainda nessa linha, Leila Salomão afirma que um dos fenômenos que a internet acaba causando nas pessoas é a banalização do desrespeito ao outro. Isso, segundo a especialista, é fruto da distância física entre os internautas, que acabam servindo como objetos uns dos outros – seja de prazer, seja de diversão. “É preciso resgatar alguns valores”, finalizou.

Consequências

A exploração de imagens de adolescentes na internet, segundo Leila Salomão, pode causar danos irreparáveis na formação psicológica da pessoa. “Isso pode até levar a atos extremos, como o suicídio. Em casos ‘menos extremos’, esse tipo de ação pode comprometer o emocional, fazendo com que a vítima tenha problemas com autoestima ou até causar depressão.”

Em casos como o dos adolescentes gaúchos, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) pode ser aplicado. O ECA prevê a reclusão de um a quatro anos e multa para quem adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. Ou seja: além dos menores, pessoas que baixaram o vídeo e distribuíram em outros sites podem ser punidas.

O principal conselho, conforme adverte Renato Opice Blum, advogado especialista em Direito Eletrônico, é que, em frente à câmera, o usuário pense nos vídeos online como uma transmissão televisiva. “Tudo aquilo que o internauta falar pode ficar gravado para sempre”, explica. Ainda segundo o advogado, a punição recairá sobre quem produz o material – e não sobre o site responsável pela transmissão ou divulgação.

Já cenas de pornografia ou sexo explícito, produzidas por adultos, não configuram crime a menos que a pessoa responsável pela transmissão tenha enganado o internauta – anunciando antes que iria transmitir uma sessão de piadas, por exemplo. Quem se sentir constrangido ao ver as imagens pode denunciar o abuso às autoridades e buscar reparações na Justiça.

Além disso, é preciso ficar atento também a comentários em vídeo sobre outras pessoas e a empresas, lembra Opice Blum. Os chamados “crimes contra a honra”, que podem acontecer quando o internauta ofende ou põe em dúvida a reputação de terceiros, podem resultar em indenizações pesadas. Também podem ser punidos os usuários que utilizarem a Twitcam para incitar discriminação e preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas; estupro, suicídio e uso de drogas, entre outros.

Fonte: UOL Tecnologia

Como usar o Facebook?

O Facebook ainda não é a rede social mais popular entre os brasileiros, porém, mês a mês ele vem angariando mais usuários daqui. Se você já usa o Orkut e deseja fazer parte da rede social que mais cresce no Brasil, se ligue, pois hoje você vai aprender como entrar no Facebook e dar os primeiros passos na personalização do seu perfil.

Criando seu perfil no Facebook

Passo 1. Para começar, acesse o Facebook e faça seu cadastro.

Passo 2. Assim que você se cadastrar, você terá que passar por três etapas. A primeira é a de importar seus contatos de e-mail do Hotmail, Gmail ou outro serviço de mensagens. Nesta etapa, o Facebook tentará achar todos os seus amigos que já estão cadastrados na rede, procurando-os pelo e-mail de cadastro. O serviço é opcional, e se você não quiser importar contatos, basta clicar em “Pular esta etapa”.

Passo 3. Insira suas informações pessoais como: onde você cursou ou cursa o ensino médio, faculdade e/ou onde você trabalha. O preenchimento destas informações também é opcional, mas pode te ajudar a achar velhos amigos.

Passo 4. O Facebook sugere, na etapa seguinte, uma série de perfis que você possa conhecer. Se houver conhecidos, adicione-os e clique em “Salvar e continuar”. Se não, clique em “Pular” para prosseguir.

Passo 5. Agora, insira uma foto sua para ser exibida em seu perfil. Esta etapa também é opcional e você pode pulá-la se desejar inserir uma foto depois.

Passo 6. Assim que você concluir essas etapas iniciais, clique em “Ir para seu e-mail” para validadar a conta. Clique no link enviado no seu e-mail.

Editando seu perfil no Facebook

Passo 7. No mural do Facebook há cinco opções de ações para você começar a usar a rede social. Clique na segunda, em “Editar Perfil”, para inserir as informações básicas do seu perfil. Clique em “Salvar alterações” assim que terminar o preenchimento.

Passo 8. No lado esquerdo da tela há nove áreas por onde é possível detalhar ainda mais o seu perfil. Há opções de inserir novas fotos, falar sobre seus esportes favoritos, onde você estudou e/ou trabalha, dentre outros. Percorra cada uma delas para criar um perfil bem completo e interessante. Se desejar, no entanto, complete-o depois.

Passo 9. Assim que concluir todas as etapas, clique em “Exibir meu perfil”.

Passo 10. Todas as suas atividades serão compartilhadas com os seus amigos no “Mural”. Nele também aparecerão as atividades mais recentes de todos os seus amigos. Para compartilhar uma foto, link, vídeo ou texto, basta selecionar a opção desejada no quadro “No que você está pensando agora?” e publicá-lo.

Passo 11. Percorra as opções de “Fotos” para fazer o upload de mais fotos no seu perfil e criar álbuns; e depois vá em “Amigos” para encontrar mais pessoas conhecidas.

Passo 12. Para encontrar páginas de empresas, artistas, sites ou amigos, use a barra de buscas no topo da tela e insira o nome do que você procura. Ao encontrar uma página de seu interesse, clique em “Curtir” para receber as atualizações desta página em seu mural.

Passo 13. Os aplicativos são os ‘queridinhos’ do Facebook. Para adicioná-los ao seu perfil, basta clicar em “Aplicativos”, no lado esquerdo da janela, logo abaixo de “Jogos”. Ao clicar nesta opção uma janela com vários aplicativos será exibida, separados por suas respectivas categorias. Com os “Jogos” o sistema é o mesmo. (Ambos funcionam do mesmo jeito que no Orkut)

Passo 14. O Facebook permite que você envie mensagens privadas para qualquer pessoa que participe da rede social. O Orkut tem como ferramenta semelhante os “Depoimentos”. Para enviar uma mensagem privada, clique em “Mensagens” e depois em “Escrever mensagem” ou “Nova mensagem”. Em seguida, no campo “Para”, escreva o nome do destinatário, o assunto e a mensagem.

Passo 15. Em “Eventos”, é possível cadastrar festas, encontros, shows e churrascos e convidar todos (ou só alguns) amigos para comparecerem. Clique em “Eventos/Criar um evento” e preencha as informações necessárias para compartilhar o convite.

Estes são os primeiros passos para você começar a usar o Facebook. Na medida em que você usar a rede social tudo ficará mais fácil. O Facebook é muito parecido com o Orkut em vários aspectos (na verdade é o contrário, mas tudo bem), com exceção à parte de “Curtir”, mas nada que um pouco de treino não resolva.

Fonte: TechTudo