Pegadinhas enganam internautas no dia 1º de abril

Como já é tradição no dia 1º de abril, sites e empresas de tecnologia pregam pegadinhas nos internautas publicando novidades e lançamentos absurdos. Confira as melhores piadas noticiadas nesta sexta-feira (1):

iPad substitui prato em restaurante

O restaurante Tableau, no bairro do Soho, em Londres, brinca com o dia 1º de abri mostrando um iPad 2 como substituto de um prato. Em descrição no site do restaurante, o local inova por apresentar novo tablet da Apple para servir a comida aos fregueses sofisticados.

Uma busca no Google mostra até o endereço do local, que nada mais é do que uma brincadeira no dia da mentira. Há até uma suposta frase de Steve Jobs que elogia o lugar.

Vaga de emprego: ‘autocompletador’

O Google começou o 1º de abril postando uma vaga de emprego de “autocompletador”. “Todos os dias, as pessoas digitam mais de 1 bilhão de buscas no Google esperando que o site antecipe o que eles estão procurando. Para melhorar o serviço, precisamos da sua ajuda”, dizia a descrição da vaga.

A empresa afirma que o “autocompletador” terá que adivinhar o que o usuário está buscando no momento em que a palavra é digitada. “Não se preocupe, depois de algumas previsões, você ganhará todos os reflexos necessários”. O Google inclusive publicou um vídeo em que um “autocompletador” fala mais sobre a vaga.

E-mail controlado por gestos

A brincadeira de 1º de abril do Gmail foi a criação do serviço “Gmail Motion”, que permite substituir a digitação e o uso do mouse por gestos captados pela webcam do usuário.

Por exemplo, para enviar uma mensagem, o usuário deve fazer os gestos de lamber um selo e colá-lo num envelope. Até para digitar não seria necessário o teclado, pois os gestos fariam o sistema entender o que se quer escrever.

‘Nerds Nervosos’

O que você faz quando a sua programação contém bugs? Chama os Angry Nerds. Fazendo uma paródia ao popular jogo de smartphone, Angry Birds, o aplicativo transforma os passarinhos em nerds de todos os tipos e os arremessa contra os malvados bugs que infestam os códigos-fonte.

No site do produto é possível fazer uma pequena interação a título de demonstração: ao clicar sobre o personagem, ele é lançado da cadeira para atingir o vilão.

Melhores virais da internet há 100 anos

Quais foram os vídeos que mais bombaram na web em 1911? A internet ainda estava a mais de meio século de ser inventada, mas a equipe do Youtube resolveu recriar 5 memes que circularam na rede recentemente, mas com visual e linguagem do cinema do início do século XX.

Aparecem versões “retrô” do blog “Fail”, do “Keyboard cat” (que agora toca um trompete), de Antoine Dodson, famoso pela entrevista na qual pede que “escondam seus filhos, escondam suas mulheres”, e até do “Rickrolling”. Veja o vídeo.

1º monóculo 3D

No dia 1º de abril, a Toshiba anunciou o primeiro monóculo com tecnologia 3D, para aqueles usuários que não gostam dos ‘pesados’ óculos 3D. “Com o ‘Spectacle’, a experiência em 3D em um olhos será tão real que você irá pensar que está usando ambos os olhos”, dizia o anúncio. Conforme a Toshiba, colocar a tecnologia 3D em um dispositivo tão pequeno não foi fácil.

LinkedIn adiciona famosos aos contatos

A rede profissional LinkedIn também elaborou uma piada para o dia 1º de abril. Ao acessar o site, o usuário deve clicar em “Contatos”, “Adicionar conexões” e escolher “Pessoas que você pode conhecer”. Na lista falsa irão aparecer nomes como Robin Hood, Albert Einstein e Sherlock Holmes.

Blizzard lança ‘Starcraft II’ para o Kinect

Em um vídeo publicado na internet, a Blizzard, produtora dos games “Starcraft II”, “World of Warcraft” e “Diablo III”, mostra que está voltando a lançar jogos nos consoles. Em uma brincadeira de 1º de abril, a empresa mostra a versão do jogo de estratégia “Starcraft II”, chamado de “Starcraft: Motiom Overdrive” para o Xbox 360, que usa o Kinect para controlar as unidades do exército do jogador apenas com movimentos do corpo.

O vídeo mostra o que seria um confronto on-line entre dois jogadores contra o sul-coreano conhecido como Veggie Smuggler. Os três realizam movimentos engraçados para mostrar como o novo sistema funciona.

‘Earkut’

Desenvolvedores do Google pensaram em criar um sensor que alerta os usuários quando um amigo entra no perfil do Orkut. Como ele fica preso na orelha e esquenta com a presença de alguém na página do usuário na rede social, ele recebeu o nome de Earkut.

O sensor, uma espécie de brinco, esquenta por conta da superstição de que, quando alguém fala da pessoa, a orelha esquenta.

A “notícia”, uma brincadeira do 1º de abri, foi publicada no blog do Orkut.

Google com muitas brincadeiras

Ao fazer uma busca no Google neste dia 1º de abril sobre as fontes Helvetica e Comic Sans, o resultado aparecerá com as respectivas fontes, brincando com o usuário.

Além disso, a empresa brincou com seu serviço de anúncios AdWords. Uma mensagem no blog oficial diz que o Google quer relançar anúncios feios que preenchiam todas as páginas.

Kodak cria ‘foto-tatuagem’

O site de impressão de fotos da Kodak criou um serviço em que os usuários podem tatuar suas fotos favoritas no corpo. A brincadeira de 1º de abril dá até preços do serviço, com uma foto de 3 x 5 custando US$ 40 e uma de 8 x 10, o maior tamanho “disponível”, por US$ 70.

 

 

Crateras no Google Earth

Um site permite que, neste 1º de abril, usuários do serviço de mapas Google Earth coloquem crateras e borrem imagens do site.

Basta colocar qualquer endereço e selecionar o efeito desejado.

 

 

 

 

 

Blog publica notícias escritas em papel

O site especializado em games Destructoid alterou o modo de publicação de suas notícias neste 1º de abril. Todas as publicações são escritas em papel e os desenhos (que seriam imagens dos games) feitas a mão.

A brincadeira é feita com base em notícias reais.

Fonte: Globo.com
Anúncios

Faça uma ‘caneta stylus’ caseira usando lápis e meia velha

Os dedos nem sempre são as melhores ferramentas para interagir com telas sensíveis ao toque. Se você faz questão de um pouco mais de precisão e higiene na tela, pode fazer sua própria “caneta stylus” para rabiscar em iPads e outros aparelhos com “touch screen”.

A equipe do DS Labs criou uma solução barata: bastam um lápis e uma meia velha para você ter uma stylus. O vídeo no site mostra o improviso em ação – e parece funcionar muito bem.

Mas fique atento, pois a meia precisa ser feita de material antiestático. O passo-a-passo da criação pode ser visto no Instructables.

Fonte: DS Labs

Aprenda a usar o iPad com classe e elegância

Mat Honan, colaborador da revista Wired, publicou no blog Gizmodo um guia de etiqueta do iPad, tablet recém-lançado pela Apple. Com respostas práticas e uma visão dinâmica do cotidiano, Mat responde dúvidas indicando a melhor maneira e as melhores ocasiões para utilizar o iPad sem apresentar ameaça às pessoas ao seu redor.

Durante o almoço, por exemplo, não é recomendável usar o novo eletrônico da Apple. “Se Steve Jobs quisesse que isso acontecesse, ele teria colocado uma câmera no iPad para você fotografar sua comida e mandar a foto para o Foodspotting“, diz o guia.

Também não é aconselhável usar o novo eletrônico da Apple no trânsito (deixe a responsabilidade com algum passageiro, ou limite-se a usar os serviços de mapa) e na cama (“se você está usando o iPad para interagir com outras pessoas online, você está basicamente convidando todas elas para irem para a cama com você”).

Já os usos permitidos são em qualquer reunião (“principalmente se você estiver chefiando o encontro”) e no banheiro (“se Steve Jobs quisesse evitar o uso nos banheiros, ele teria colocado uma câmera no iPad”).

Site contabiliza venda de iPads nos Estados Unidos em tempo real

A Chitika – uma empresa de propagandas online baseada em buscas – fez o que nem a Apple ousou fazer: disponibilizou em seu site um contador, em tempo real, de vendas de iPads nos Estados Unidos. O iPad Stats – como é chamado o serviço – também mostra estatísticas de venda por estado americano e um gráfico com a estimativa de aquisições do portátil por hora.

De acordo com iPad Stats, até o momento, já foram comercializados quase 2 milhões de unidades do portátil da Apple, desde o lançamento. Por um acaso, o lugar que contabiliza o maior número de iPads é a Califórnia – estado-sede da Apple – com 20% dos dispositivos vendidos no país. Em seguida vêm New York, Texas e Florida. Na lanterninha ficaram os estados de Dakota do Norte, Montana e Wyoming, respectivamente.

Dez revelações surpreendentes sobre o iPad

A Apple conseguiu emplacar mais um gadget no topo dos mais desejados no mundo da tecnologia. O iPad chegou às mãos dos compradores e aos poucos surgem as primeiras críticas ao tablet – algumas óbvias, como a falta de suporte à Flash, outras nem tanto, como um teclado virtual que “dá para o gasto”. Mas quer saber quais são as primeiras impressões de um usuário normal? Veja os dez aspectos mais surpreendentes do aparelho segundo Ben Patterson, crítico de tecnologia do Yahoo News:

1. Ele voa
Os primeiros comentários sobre o iPad diziam que ele era incrivelmente rápido e, acredite, eles não estavam brincando. Os aplicativos literalmente voam para abrir e navegar pela web no Safari é muito mais rápido do que no iPhone.

2. É mais pesado do que pensava
“Uma libra e meia” (=680g) pode soar bem leve, especialmente quando você considera que um MacBookAir pesa 3,5 libras (=1,58kg). Mas o iPad pareceu surpreendentemente pesado na primeira vez em que Ben Patterson o segurou – “nada que fosse estourar minhas veias”, ele brincou.

3. Boa sorte se for ler e-books debaixo da luz do sol
Sim, o iPad supera o Kindle quando vemos sua tela colorida e a animação que simula o folhear de uma página. Mas a beleza da tela em preto e branco do Kindle, a e-ink, se sobressai: a leitura do texto é a mesma, mesmo debaixo de sol, sem reflexos irritantes. No iPad, a tela colorida não representa nenhuma vantagem, principalmente quando desaparece sob o reflexo da luz solar.

4. Teclado virtual QWERTY não é tão ruim
Não, não tem nada a ver com digitar num teclado de verdade, mas o teclado virtual do iPad não é nem de perto tão terrível quanto disseram. “Consegui digitar alguns e-mails razoavelmente grandes e com certeza é melhor do que digitar no iPhone. O segredo é relaxar e deixar o corretor automático fazer seu trabalho. Se você fica apertando o backspace para corrigir seus erros, vai ficar digitando o dia inteiro”, afirmou Ben Patterson. Segundo ele, é necessário ter em mente que será necessário fazer ao menos uma das coisas abaixo:

  • Sustentá-lo (ainda que desajeitadamente) no seu colo
  • Apoiá-lo numa mesa (o que não é a melhor solução tendo em vista a curvatura do tablet)
  • Segurá-lo com uma mão e digitar com a outra (o que diminuirá sua taxa de “palavras por minuto”)
  • Investir num teclado externo da Apple para iPad (US$ 79)
  • Usar uma case da Apple de US$ 39 para apoiar o iPad num ângulo bom

5. Não poder carregar o iPad por uma porta USB
Primeiro, o crítico tentou conectá-lo em seu hub USB, depois na porta USB do seu MacBook Pro, mas não, não deu certo – nem mesmo quando o iPad está sincronizando com o iTunes. Parece que o único jeito de carregar o iPad é, aparentemente, usar o adaptador AC para a tomada na parede. Ainda bem que dizem que a bateria dura 10 horas (*Atualização: segundo a Macworld, é possível carregar o iPad por uma high-power USB)

6. Vídeos em alta definição ficam demais!
A primeira coisa que Ben fez depois de desembalar o iPad foi ver o trailler de 720p de Avatar e… “uaaaau. Absolutamente lindo. Ver filmes durante um vôo nunca mais será o mesmo”.

7. Reflexos na tela distraem bastante
“No momento em que minha esposa e eu estávamos ‘maravilhados’ com o vídeo de Avatar, começamos a reclamar dos reflexos que aparecem na tela de vidro do iPad. Não é ruim quando você está na internet ou escreve um e-mail, mas enquanto vê um filme – especialmente numa cena mais escura – se prepare para ver o seu próprio reflexo olhando para você”, relatou.

8. Serviços baseados em localização funcionam bem
Um dos problemas com a versão com apenas Wi-Fi do iPad frente à versão com 3G é que falta à primeira o A-GPS, sistema que combina dados de satélite a triangulação de torres de celular para determinar sua localização, mesmo quando está num ambiente interno. Mas a versão Wi-Fi ainda pode tentar achar o lugar onde você está, usando sinais Wi-Fi por perto. Ben Patterson se disse impressionado quando seu novo iPad imediatamente zerou “no seu próprio apartamento”, faltando meio quarteirão. Nada mal.

9. O iPad pode fazer ligações, com uma pequena ajuda do Skype
Sim, o iPad prometeu que quase todos os aplicativos para iPhone funcionariam no tablet, mas havia dúvidas quanto ao Skype. “Hoje, entretanto, finalmente coloquei o Skype no iPad: fiz o login e liguei para 777-FILM. A próxima coisa que escutei foi: ‘olá, bem-vindo à Moviefone! Se você sabe o nome do filme que quer ver, digite ‘um'”, descreveu o crítico

10. O iPhone agora parece muito, mas muito pequeno
“Depois de testar o iPad por uma hora, mais ou menos, fui dar uma olhada no meu iPhone por um segundo e … poxa, o que é essa coisinha pequena? Tão insignificante!”, comparou.

Agora o iPad cabe no seu bolso

Você até gostou do novo eletrônico da Apple, mas ainda achava ele meio grande para carregar por aí, certo? Aprecie, então, a nova versão do colete de viagem da Scottevest. São 22 bolsos, incluindo compartimentos internos e um BOLSO EXCLUSIVO PARA iPad.

O modelo é vendido por US$ 100, em três opções de cores, e pode comportar também outros gadgets e objetos de viagem úteis, como chaves, documentos e até uma garrafa de água – segundo o fabricante. Mas a principal vantagem é que se você escolher bem os portáteis que vai carregar, já terá um razoável colete a prova de balas.

Fonte: UOL Tecnologia

Cinco bons aplicativos para iPad

Muitos duvidam do iPad, outros não aguentam mais ouvir falar do tablet, mas a verdade é que com os aplicativos rodando na tela de 9,7 polegadas, tudo pode mudar.

O próprio criador, CEO da Apple Steve Jobs, sabe da importância dos aplicativos desenvolvidos por empresas parceiras para criar a esperada “mágica” no setor da tecnologia. Sem eles, ao contrário do que ocorre com iPods Touch e iPhones, não há razão para o produto existir.

De início, são mais de 150 mil apps incumbidos de fisgar o consumidor e trazer novos modos de interação; alguns surpreendentes, outros decepcionantes, banais.

Confira abaixo cinco aplicativos que podem trazer algumas mudanças para a experiência do usuário, seja pela utilidade, pela inovação ou pelo acabamento.

Pandora Radio Velho conhecido dos fãs de música na web, a Pandora surge, de cara, como líder no setor de rádios online para iPad. Na tela do tablet, o app ganha uma dimensão diferente da que possui no iPhone, com mais detalhes gráficos, como capas de disco e informação dos artistas. Seu “cabeçalho” com o tocador de músicas e uma barra de buscas é bem similar ao iTunes. É gratuito, mas deve garantir a felicidade apenas dos americanos por tempo indeterminado.

Netflix Aqui o funcionamento é simples: seja um membro Netflix e assista a quantos filmes você quiser por streaming no iPad. São mais de vinte mil mídias disponíveis no acervo, que ainda possui um bom módulo de pesquisa e gerenciamento. Sim, o app é gratuito.

IMDB Fãs de cinema sempre querem consultar dados de filmes a qualquer instante; numa conversa ou mesmo no meio de um longa-metragem. Para a alegria de alguns, com o iPad em mãos e o app do IMDB instalado, todos os infinitos dados (são, por enquanto, cerca de 3,2 milhões de atores e mais de 1,5 milhões de filmes) aparecem na tela, inseridos num desenho de página especialmente pensado para o tablet. Ainda há trailers em HD, fotos, área de avaliação de filmes e uma loja de DVDs e Blu-ray. É da Amazon, é gratuito.

The Wall Street Journal Não se trata de uma escolha baseada no editorial, e sim, pelo modo que o Wall Street Journal promete trazer o conteúdo para o iPad. Com o aplicativo da publicação, os assinantes podem ler todo o jornal no tablet, com dados de mercado, vídeos e slides de fotos. Uma espécie de impresso animado na tela. Há ainda uma versão gratuita e mais simples com conteúdos limitados, mas esta não nos interessa tanto quanto a paga. Infelizmente.

Kindle Colorido, bem distribuído na tela sensível ao toque, com páginas animadas e configurações de ajuste de fonte e brilho. O Kindle chega ao iPad para vencer o iBook, sobretudo pelo fato de possuir um acervo bem maior que o “rival”: 450 mil títulos contra 60 mil. Fora isso, também faz bem o papel de oferecer gratuitamente algumas obras e dar amostras de todos os livros antes de efetuar a compra. Outro destaque é a ferramenta “dicionário”.

nologia pessoal

Cinco bons aplicativos para iPad

Guilherme Pavarin, de INFO Online Domingo, 04 de abril de 2010 – 13h25

Getty Images

Cinco bons aplicativos para iPad
iPad chega às lojas americanas e só os melhores aplicativos sobrevivem: confira cinco que prometem trazer inovações para os usuários

<!––>

Tags:
iPad
Apple


//