Dê superpoderes ao seu notebook

Seu notebook está mais pra lá do que cá? Independente do laptop ter alguns anos ou ser novo em folha, alguns upgrades no hardware e ajustes nos softwares podem adicionar novos recursos ou melhorar o desempenho da máquina. Aqui vão algumas dicas para dar superpoderes ao seu notebook.

Controle seu notebook com a cabeça

Quando foi a última vez que a webcam do laptop foi usada?  Ao invés de deixá-la encostada e sem uso, experimente alguns softwares que a transformam em um dispositivo de controle. Apesar desses aplicativos serem originalmente dirigidos a pessoas com deficiências físicas, qualquer um pode usar os programas para assumir o controle da máquina, sem usar as mãos.

Por exemplo, a ferramenta Camspace do Windows tem como alvo os gamers, mas é possível configurá-la para qualquer aplicação. Ela identifica objetos vistos pela webcam e usa os movimentos do usuário para controlar o mouse e o teclado. Já o Eyetwig, utilitário disponível para Windows e Mac OS X, interpreta movimentos com a cabeça e os transforma em comandos para o mouse, permitindo apontar e clicar sem tocar em nada.

Habilite gestos de mouse para dar comandos rapidamente

Em alguns notebooks é possível usar gestos multitoque para dar comandos ou abrir programas. Entretanto, é possível usar esses movimentos com qualquer touchpad ou mouse. Basta instalar o Strokelt e designar movimentos específicos do mouse para ativar os comandos desejados. Por exemplo, ao segurar o botão direito e arrastar o mouse em forma de “Z” o Firefox retorna à página anterior.

Streaming de música pela nuvem

Não é preciso se preocupar em sincronizar manualmente as músicas entre seu PC desktop e o laptop. Ao invés disso, mande-as para a web e acesse-as via streaming. O MP3tunes é feito para isso; assim como muitos serviços, ele permite enviar suas músicas para a web ouví-las via streaming no desktop, no netbook, no smartphone ou em quase qualquer outro aparelho conectado à web.

Compartilhe seu serviço de Internet móvel

Redes Wi-Fi e modems USB podem conectar os usuários à internet em qualquer lugar, mas e se você precisar conectar dois computadores à rede? O utilitário Internet Connection Sharing do próprio Windows possibilita a criação de uma pequena rede privada que compartilha a conexão à Internet via Wi-Fi. Caso o usuário não tenha um modem disponível, pode usar um smartphone e o software PdaNet, que possibilita o “tethering”, ou seja, o compartilhamento da conexão 3G do smartphone com outros aparelhos.

Apesar da ferramenta ICS do Windows funcionar, configurá-la pode ser uma dor de cabeça, e ela não permite compartilhar a rede Wi-Fi com outros  dispositivos. Em um hotel, por exemplo, é possível utilizar o Wi-Fi para conectar um notebook, mas não é possível compartilhar essa rede com um iPad. O Connectify é um programinha de configuração simples que permite compartilhar uma conexão Wi-Fi criando uma segunda rede para seus outros aparelhos.

Aumente o espaço em disco com servidores de arquivos online

Independente do tamanho do HD do notebook, é possível torná-lo infinito com o armazenamento online. As opções são inúmeras, como o Dropbox, Ubuntu One para os fãs do Linux e iDisk para os usuários de Mac, que fornecem um espaço fixo por uma quantia mensal. Para mais espaço sem limites, uma opção é o Jungle Disk: a mensalidade é flexível, e o usuário só paga por aquilo que realmente usar.

Abra um portal de arquivos para outro computador

O Dropbox sincroniza arquivos entre computadores diferentes, mas uma das funções mais incríveis ajuda a conectar as pessoas. Suponha que o usuário tenha tirado algumas fotos enquanto a família estava de férias. Caso o laptop esteja na viagem também, é possível enviar essas imagens a partir de um espaço compartilhado no Dropbox para um parente ou amigo em qualquer lugar. Simplesmente copie as novas imagens para a pasta compartilhada, e elas aparecerão no PC ou Mac da outra pessoa.

Atualize drivers e softwares para melhorar o desempenho e ganhar novos recursos

Atualizações de drivers e software aumentam o desempenho e geralmente adicionam novas ferramentas ao seu computador. Pelo menos o Windows deve estar atualizado; para fazer isso clique no menu Iniciar e digite “Windows Update” (sem as aspas) no campo de texto para acessar o Painel de Controle do Windows Update.

Além disso, uma ferramenta como o PC Updater pode rastrear todos os arquivos que precisam de atualização. Esse utilitário baixa as atualizações, tanto de drivers como de aplicativos, diretamente dos desenvolvedores, então fique tranquilo.

Dê uma turbinada no desempenho com RAM mais rápida

A memória RAM é essencial para que seu notebook rode os aplicativos sem engasgar, especialmente com muitos deles abertos ao mesmo tempo. Mas RAM em excesso não é um bom investimento – e pode reduzir a autonomia da bateria – e usar memória RAM mais rápida e de baixa latência pode produzir resultados melhores do que simplesmente utilizar o montante máximo absoluto. O ganho de performance geralmente é pequeno e esse é um upgrade para os fanáticos. De qualquer forma, é possível obter alguns frames por segundo a mais em jogos ou outras tarefas mais complexas.

A maioria dos revendedores de memória RAM já indica o modelo correto se você informar a marca e modelo de seu notebook, mas se o usuário tiver dúvidas um utilitário como o Crucial’s RAM Scanner pode identificar o que é necessário. Com essa informação, fica mais fácil comprar RAM compatível com a menor latência possível. A pontuação indicada representa o tempo que a memória leva para entregar os dados requisitados, comumente mensurado em ciclos do processador (clock cycles). Um número baixo significa menos tempo.

Troque o disco rígido por um SSD

Discos de estado sólido (SSD) superam os discos rígidos de muitas formas. A começar por serem mais leves, e por não ter partes móveis (salvam os dados em memória flash) são mais rápidos e mais confiáveis. Como não tem motores, consomem menos energia, o que aumenta a autonomia da bateria. Apesar de serem mais caros e terem menos espaço que HDs na mesma categoria, esses drives são melhores do que os discos rígidos em quase todos os aspectos.

Troque o disco rígido de fábrica por um maior

Muitos laptops vêm de fábrica com um disco rígido pequeno. Um HD de 60GB é um insulto, e mesmo um de 120G pode ficar abarrotado se alguém guardar um monte de músicas e vídeos. Ultrapasse essas barreiras e troque o disco por um modelo com capacidade de armazenamento maior; um HD SATA de 500GB (interno ou externo) não é muito caro, e vai dar muito mais espaço para seus arquivos e o sistema operacional. É possível ainda dividir o HD em partições para facilitar a organização dos arquivos ou mesmo instalar um S.O. alternativo.

Consulte o manual de seu computador ou entre em contato com o fabricante para saber mais sobre o processo de upgrade. Na maioria dos casos basta abrir uma tampa na parte inferior do notebook ou remover o teclado para trocar o HD pelo novo. Para transferir os dados do disco antigo para o novo HD, uma alternativa é usar um cabo de transferência SATA/USB.

Use um processador melhor para aumentar a velocidade de tudo

Uma nova CPU ou GPU (processador gráfico) pode deixar um laptop antigo mais rápido. Como resultado desse upgrade o notebook pode ser mais veloz do que um PC novo – mas atente que esse processo tem ressalvas tão grandes quanto os ganhos de desempenho.

São raras as máquinas que permitem esse upgrade e o processo de instalação é complexo, geralmente exigindo a desmontagem completa do notebook. E mesmo que a máquina suporte o upgrade, encontrar as peças certas pode ser difícil. Mas se o usuário ainda assim estiver disposto, há guias na internet que explicam todo o processo, que varia de acordo com cada modelo de notebook.

Adicione uma interface que falta

O conceito de um canivete suíço não é usar todas as ferramentas em um dia ao mesmo tempo, mas ter o recurso certo para momentos inesperados. Isso se aplica também às interfaces de seu notebook. Uma grande variedade de conexões é a peça central de um sistema versátil. É possível adicionar qualquer interface que falta, como Gigabit Ethernet, Bluetooth 2.1, eSATA, 802.11n Wi-Fi, or USB 3.0.

A melhor forma de fazer isso é usar cartão ExpressCard, interface rápida o suficiente para a maioria dos upgrades. Em alguns casos, como Wi-Fi e Bluetooth, é possível instalar um módulo interno no notebook; contate o fabricante para ver como isso funciona em cada modelo. Para interfaces que rodam em velocidades menores, incluindo o Bluetooth, 3G e Wi-Fi 802.11b ou g, é possível plugar um adaptador externo em uma entrada USB.  Belkin e Linksys são só duas das empresas que oferecem adaptadores nesta área.

Conecte um monitor adicional

Precisa conectar o laptop ou netbook a um ou mais displays externos? Caso não haja uma porta integrada, ou se o usuário deseja adicionar telas múltiplas, use um adaptador USB. A NewerTech tem uma boa opção que suporta alta resolução. Como o adaptador é conectado via USB 2.0 o desempenho é reduzido (não espere executar aplicações 3D ou jogos no segundo monitor), mas para tarefas do dia-a-dia o processo funciona bem, seja usando apenas um monitor extra ou até seis deles, usando múltiplos adaptadores.

Faça a bateria durar mais tempo

Cuidar da bateria do laptop pode fazê-la durar por alguns anos. Mas caso queira fazer um upgrade para aumentar a vida útil ou se a bateria não está mais segurando carga suficiente, uma bateria compatível pode ser uma opção mais poderosa que um modelo original da fábrica.

Independente do local que seja comprada, certifique-se em comprar uma nova. Como as baterias degradam ao passar do tempo e de acordo com o uso, uma bateria velha ou já usada não vai funcionar tão bem. Encontre uma bateria que seja compatível com seu notebook e compare-a com a original; procure por uma com o índice de mAh (miliamperes/hora) ou Wh (watt/hora) maior do que a original para ter uma autonomia maior.

Dicas para garantir a segurança do acesso remoto na empresa

Login remoto e mobilidade são alguns dos avanços trazidos pela tecnologia. A finalidade desses recursos, porém, deve se dar em torno dos negócios. Na medida em que pequenas e médias empresas se encantam pelas facilidades e buscam nelas uma fonte de vitaminas que as cure da longa gripe da crise, as mídias sociais e as formas de acesso à distância fazem parte das peças centrais no tabuleiro das companhias. Possibilitar aos empregados o acesso remoto pode ajudar as empresas a alcançar os objetivos, agiliza o atendimento ao consumidor e acelera a dinâmica do modelo de negócios.

Importante ressaltar que aumentar a mobilidade implica em aumentar os riscos à segurança dos sistemas informatizados, aos dados e à saúde da empresa em geral. É sabido, por exemplo, que o crescente uso das redes sociais e de compartilhamento de conteúdo na web carrega o uso do sinal de conexão e expõem a rede a pragas virtuais e vírus. Usar esses canais com notebooks ou outros dispositivos portáteis só faz aumentar o perigo.

Essa tendência desafia as pequenas e médias corporações a monitorar o acesso à rede e o tráfego de dados, os sistemas operacionais dos dispositivos usados nesses acessos e a criar um ambiente controlado e, ao mesmo tempo, descomplicado. O principal motivo para as empresas restringirem o acesso via dispositivos móveis ou permitir esse recurso apenas aos funcionários selecionados é a segurança, ou melhor, a falta desta.

Sem dúvida, a decisão de escancarar o acesso à rede para dispositivos móveis sempre traz riscos embutidos. Sem as devidas medidas de segurança resta às organizações rezar para que não ocorram furtos de dados, abuso da estrutura da rede, infestações de vírus, de trojans e outras mazelas endêmicas de rede. Listamos seis vacinas importantes no aumento da imunidade do sistema de dados das empresas contra ataques móveis.

1 – Blindar a VPN
Decidir usar uma VPN para os acessos requer um estudo cuidadoso das informações que a organização quer partilhar nessa modalidade de acesso. Caso pretenda executar a transferência de dados confidenciais, o conselho é desconfiar das opções de VPN pré-instaladas.

Apesar de vários sistemas operacionais disponibilizarem protocolos VPN padrão, é comum basearem a autenticação dos usuários em login e senha simples e dispensarem autenticações robustas e elementos de criptografia, deixando as portas abertas para a ação de hackers e outros invasores, como os bots e vírus.

Uma sugestão para incrementar a segurança nos acessos VPN é direcionar todo o tráfego IP para passar pelo túnel VPN e garantir apenas acessos seletivos. Um esquema de várias camadas é a melhor opção. Mas nenhuma VPN que pretenda ser sofisticada e usada para a comunicação de aplicativos críticos e de dados vitais poderá abrir mão de ferramentas adicionais para autenticação e criptografia de dados.

2 – Blindar os dispositivos móveis
Usuários com acesso a notebooks e a smartphones requerem estratégias de segurança. Nesse elenco de estratégias entram a combinação de senhas, uso de firewalls, criptografia parcial ou integral de discos rígidos e o uso – absolutamente indispensável – de softwares atualizados de antivírus e antispam. A maioria dessas alternativas pode ser implantada de maneira franca e transparente, e irá ajudar no combate às invasões e à perda de dados.

3 – Senhas e criptografia
Certifique-se de todos os dispositivos móveis estarem protegidos por senha e por criptografia. Se possível, implemente um esquema de geração de senhas válidas para uma única sessão. Caso o pacote contendo essa senha seja sequestrado, ele permitirá o acesso por apenas uma única vez.

Altamente recomendável é instruir os funcionários a criar senhas robustas e a abolir o uso das palavras “senha” e “12345” nos dispositivos. Senhas que se prezem são compostas por uma combinação de caracteres alfanuméricos maiúsculos e minúsculos.

4 – Defina políticas para acesso com dispositivos móveis
Admitir que a maioria dos usuários não presta muita atenção para a segurança até que ocorra um desastre é o primeiro passo em direção à erradicação dos riscos. Logo, o aconselhável é realizar treinamentos e colocar os funcionários a par do perigo que correm quando menos desconfiam.

Sessões de capacitação para o uso adequado de smartphones e correlatos é, juntamente com a constante lembrança de manterem-se às regras estabelecidas, um excelente remédio.

Para finalizar, seguem duas dicas que você não vai querer aprender da maneira mais difícil, acredite.

5 – Mantenha o rebanho de dados confidenciais no cercado
Os casos de furtos e roubos de dispositivos móveis tem aumentado radicalmente. A maioria contém dados pessoais e alguns de ordem estritamente confidencial. Boa parte dos casos de extravio comprometem dados privados e números de cartão de crédito, de acesso e mais. Em 2010 um notebook contendo dados médicos de 12,5 mil pacientes foi roubado de dentro de uma residência na Flórida, EUA.

Esses casos não são exatamente novidade e trazem uma importante dica: dados preciosos precisam ser submetidos a esquemas de segurança que envolvam criptografia de várias camadas. Mesmo que o notebook vá parar indevidamente na mão de alguém, a leitura dos dados deve ser dificultada ao máximo.

Se a companhia não puder garantir a segurança dos dispositivos móveis, ela deverá impedir que eles cheguem ao sistema de arquivos dos notebooks e smartphones, ficando no servidor da corporação, em um lugar bem seguro. Configure os sistemas para autenticação de acesso seguro, mesmo a partir de locais remotos, aproveite e impeça que sejam realizados downloads.

6 – Cuidado com os e-mails
Esse assunto já foi discutido à exaustão. Mesmo assim, nunca é suficiente. Boa parte dos riscos do uso de dispositivos móveis advém dos próprios usuários. Isso inclui o acesso aos emails particulares. Sendo assim, cabe a eles tratar o assunto de segurança dos laptops e iPhones como se fosse um problema particular.

Instrua os funcionários sobre métodos de se prevenir contra vírus e outros softwares danosos que podem estar escondidos em mensagens de email com anexos. Certifique-se que cada um dos empregados esteja alertado sobre a execução de arquivos desconhecidos. Concluindo, não permita que saiam abrindo todo e qualquer anexo de origem suspeita.

Mitos e verdades sobre baterias de notebooks

Bateria do notebook vicia? Dispositivos USB consomem muita energia? Veja, a seguir, alguns mitos e verdades sobre como garantir vida longa para a bateria de seu notebook. As respostas foram dadas por Henrique Joji, diretor de marketing e produtos da Dell.

Bateria de notebook vicia?

MITO – Atualmente, os portáteis trazem baterias de íon lítio, que armazenam bem mais energia que as baterias antigas e não sofrem com o “efeito memória”. Assim, não é preciso carregá-las até o máximo e nem esperar descarregá-las até o mínimo, como acontecia antigamente. É possível passar o dia todo com o notebook na tomada sem se preocupar em deixar a bateria “viciada”.

Tirar a bateria enquanto o notebook estiver na tomada prolonga a sua vida.

VERDADE – Se você é um usuário que utiliza o notebook como um desktop, ou seja, não o carrega de um lado para outro, é indicado retirar a bateria enquanto o notebook está na tomada. Com o procedimento, a vida útil do equipamento pode aumentar em 10%. Uma dica é guardar a bateria carregada e usá-la a cada uma ou duas semanas para dar nova carga.

Tenho que usar a bateria até o final para depois carregá-la.

MITO – Não é preciso esperar tanto. Sempre que sentir necessidade de dar mais uma carga, pode plugar o notebook na tomada.

Assistir filmes baixados consome menos energia do que usando o DVD.

VERDADE – De acordo com Henrique Joji, o disco rígido do laptop consome menos bateria do que usar o leitor óptico porque não é preciso enviar energia para fazer as engrenagens funcionarem. Assim, prepare-se para converter seus DVDs em arquivos com formato compatível com o portátil. Existem diversos softwares para fazer essa conversão, conhecida como “ripagem de DVDs”.

Dispositivos USB são verdadeiros vilões quando o assunto é consumir bateria.

VERDADE – Todo dispositivo USB precisa ser alimentado pelo próprio notebook para funcionar, mesmo quando não está ativo. Modem 3G e conexões eSata também entram na lista dos itens que devem ser evitados na hora de economizar bateria.

Ligar e desligar o notebook várias vezes contribui para o consumo de energia.

VERDADE – Ao ligar o notebook, a Bios (chip responsável pelo reconhecimento de hardware) realiza todo o processo de inicialização de hardware e do sistema operacional. Este processo consome muita energia.

Um noebook não gasta nenhuma energia quando está em standby.

MITO – O notebook em “standby” consome energia, mas em uma quantidade muito menor do que quando está ligado. O mais indicado é colocar o notebook no modo Hibernação do Windows, já que ele consome menos energia do que no modo Espera. As duas opções oferecem o mesmo resultado: desligam o notebook enquanto ele não está sendo usado e restaura os aplicativos e janelas que estavam sendo usados quando ligado novamente. A diferença é que o modo Espera deixa os dados gravados na memória, o que vai consumir mais bateria.

Discos SSD economizam bateria.

VERDADE – Discos SSD consomem menos bateria que os discos rígidos convencionais.

Dicas rápidas:

  1. Reduza o brilho da tela de LCD, ele é o principal vilão no consumo de energia
  2. Desligue a antena Wi-Fi quando não estiver usando a internet
  3. Deixe o menor número de dispositivos USB conectados ao notebook, mesmo inativos
  4. Reduza o número de programas executados ao inicializar o Windows
  5. Opte pelo modo Hibernação em vez de escolher o Espera
  6. Controle o horário de updates do sistema operacional
Fonte: Uol Tecnologia