Crie uma imagem do drive C e fique seguro

Gere uma cópia padrão do drive de sistema num segundo disco para usar em caso de pane.

Você está trabalhando com seu micro e, de repente, um erro fatal, de hardware ou de software, obriga a reinstalação do sistema operacional. E agora? E todas as configurações do sistema e dos aplicativos? E as atualizações? Não há outro jeito: é preciso refazer tudo, sem muita garantia de que o resultado vai ser igual ao que estava antes. Mas calma. Embora esse quadro seja possível, há várias formas de evitar grandes transtornos. Uma delas é gerar uma cópia-padrão do drive de sistema – num segundo disco rígido, por exemplo. Quando for necessário reinstalar o sistema, bastará restaurar essa cópia. Evita-se, assim, o trabalho de reinstalar e configurar todos os programas – tarefa que, em muitos casos, consome dias. A solução que vamos mostrar aqui depende de três requisitos: um disco rígido secundário para armazenar as imagens do drive principal; um software para gerar as imagens; e, por fim, uma reconfiguração do Windows.

O software usado será o Drive Image (DI), da PowerQuest, um dos melhores programas para essa tarefa, especialmente por causa de sua facilidade de uso. O DI gera imagens compactadas de todo o conteúdo do drive C. Além disso, oferece meios para a restauração, tanto em condições normais como nos casos em que o sistema não inicializa. Outro destaque desse utilitário é que sua versão atual, 2002, funciona com todas as edições mais recentes do Windows (95, 98, Me, NT, 2000 e XP) e suporta todos os sistemas de arquivos mais comuns: FAT, FAT32, NTFS, Ext2. Vejamos, passo a passo, como preparar o micro para gerar e recuperar imagens do disco de sistema.

São necessárias três etapas. Primeiro, a preparação da máquina. Depois, a instalação do software que produz “clones” do drive C. E, por fim, o ajuste do sistema. Vamos à preparação do micro. Em princípio, você pode usar qualquer máquina equipada com dois HDs, desde que haja no drive secundário espaço suficiente para os backups. No entanto, o procedimento ideal é começar tudo do zero. Ou seja, formatar o disco de sistema (não esquecer de antes fazer backups dos documentos) e reinstalar o Windows e todos os programas que você considera básicos. A intenção é gerar um disco com o Windows novo e sadio.

Se você está certo de que seu Windows não tem problemas, salte a primeira etapa e transfira seu marco zero para a instalação do Drive Image. Execute-o pela primeira vez. Dê OK na tela de boas-vindas e o programa apresenta sua janela inicial, que vai direto ao que interessa: clique no botão Create Image para fazer um clone de seu drive de sistema. Ou, então, clique em Restore Image para recuperar uma imagem já armazenada. Para começar, claro, clique no primeiro botão. Na próxima tela, acione Select Drives e indique o disco a ser clonado. Em Select Destination, diga ao programa que você quer fazer o backup no segundo disco rígido – normalmente, o drive D.

Para executar o backup já, acione o botão Finish. O programa gera um arquivo com extensão PQI, acompanhado de outro, com o mesmo nome e extensão 002. Se você clicar no item Options, poderá escolher o nível de compactação (nenhuma, baixa, alta) e também definir que a imagem seja dividida em múltiplos arquivos. Outra opção está acessível via botão Schedule. Ela permite programar a feitura de backups com a ajuda do Agendador de Tarefas do Windows.

A restauração da cópia também é simples. Basta escolher Restore Image e indicar o destino. Nessa operação, a tela Select Destination exibe a caixa Restore to Original Locations (restaurar para os locais de origem). Se for esse o caso – que, aliás, é o mais comum -, basta marcar essa opção e o programa faz o resto. Os locais de destino, tanto na cópia como na restauração, não estão limitados a um drive local, diferente do de sistema. É possível, por exemplo, fazer o backup no mesmo disco rígido, em outra partição. A desvantagem está na segurança: não é prudente manter original e cópia no mesmo hardware. Outras opções são a criação de backups em drives de rede e mídias removíveis (CD, Zip Drive, disco rígido externo).

Também a restauração pode ser feita em drive diferente do original. Esse recurso é particularmente útil para empresas. Em vez de instalar, um a um, o sistema operacional e aplicativos, num lote de máquinas idênticas, basta fazer isso uma vez e em seguida reproduzir a imagem nos discos rígidos. Sempre que você faz uma cópia ou restauração sem envolver o disco de sistema, o DI executa toda a operação sem abandonar o Windows. No entanto, se o processo inclui o drive de sistema, o programa encerra o ambiente gráfico, trabalha no DOS e por fim retorna ao Windows.

Você já instalou o programa e viu como trabalhar com imagens de drives. Falta a terceira parte: ajustar o sistema operacional. Agora, você precisa transferir o padrão de gravação de documentos do drive C para o drive D. Por quê? O objetivo é manter somente o sistema e programas no drive C. Todo o resultado de seu trabalho deve ficar fora desse drive. Assim, quando for necessário restaurar o sistema (e, portanto, sobrescrever todo o conteúdo de C), seus documentos estarão preservados. Para executar essa mudança, clique com o botão direito em Meus Documentos e, no menu, escolha Propriedades. Na tela que se abre, clique no botão Localizar Destino para indicar a posição de Meus Documentos em D. Com o botão Mover, você pode não somente localizar ou criar essa nova pasta como transferir para ela os documentos atuais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: